Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Hans-Jörg Albrecht: “Multidisciplinaridade do curso de Criminologia deve ser replicada”
Paulo Cunha integra novo Conselho Nacional do PSD

Hans-Jörg Albrecht: “Multidisciplinaridade do curso de Criminologia deve ser replicada”

Cerveira tem em curso empreitada de limpeza florestal em 37 hectares

Ensino

2017-11-10 às 06h00

Isabel Vilhena

“A licenciatura de Criminologia da Universidade do Minho está a fazer uma aproximação muito interessante, cooperando em diferentes áreas, como a Sociologia, Psicologia e o Direito”. A afirmação é de Hans-Jörg Albrecht, director do Max Planck Institute for Foreign and International Criminal Law, em Friburgo, na Alemanha.

“A licenciatura de Criminologia da Universidade do Minho está a fazer uma aproximação muito interessante, cooperando em diferentes áreas, como a Sociologia, Psicologia e o Direito”. A afirmação é de Hans-Jörg Albrecht, director do Max Planck Institute for Foreign and International Criminal Law, em Friburgo, na Alemanha.

Hans-Jörg Albrecht foi a figura distinguida este ano com a Cátedra Lloyd Braga, numa proposta conjunta dos Instituto de Ciências Sociais, da Escola de Direito e da Escola de Psicologia, focada na área científica da Criminologia. O programa inclui, para além da Aula Aberta, proferida ontem pelo docente alemão, Hans-Jörg Albrecht, sobre ‘Retenção de Dados de Trânsito de Telecomunicações, Processo Penal e Controle de Crime’, duas palestras e uma reunião de investigadores, tendo por objectivo assinalar a relevância das abordagens trans e multidiciplinares a respeito do fenómeno do crime nas sociedades contemporâneas. Uma multidisciplinaridade que, segundo, o docente alemão é “cada vez mais importante, mas ainda muita rara”, destacando o exemplo do que já se faz na área da Criminologia da Universidade do Minho, defendendo a replicação do seu exemplo.

Por seu turno Clara Calheiros, presidente da Escola da Direito da UMinho reforçou a aposta neste projecto de ensino multidisciplinar, defendendo a sua afirmação no domínio da investigação em criminologia.
Segundo o reitor António Cunha, a Cátedra honra a memória de uma figura “muito importante” na vida da academia minhota, além de constituir um “acto de internacionalização da universidade, estreitando laços e permitindo a interacção com personalidades de referência em diferentes áreas”.

No último acto oficial da Fundação Carlos Lloyd Braga que irá transformar-se em associação, o presidente Carlos Alberto Sousa, garantiu a continuidade da Cátedra, considerando que “faz todo o sentido na medida em que esta é uma universidade dinâmica e vai criando novas áreas de saber e de investigação, onde é necessário trazer gente de fora para dinamizar essa evolução natural da universidade”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.