Correio do Minho

Braga,

- +
Guimarães: Projecto pronto para avançar com obras na igreja de Serzedelo
Câmara compensa TUB com 1,1 milhões de euros

Guimarães: Projecto pronto para avançar com obras na igreja de Serzedelo

Sobrevivência do mundo rural exige melhor gestão dos recursos naturais

Guimarães: Projecto pronto para avançar com obras na igreja de Serzedelo

Vale do Ave

2021-01-26 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Novo protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal de Guimarães e a Direcção Regional de Cultura do Norte permite dar início aos trabalhos de recuperação da igreja de Serzedelo.

A conservação e a valorização da Igreja de Santa Cristina de Serzedelo, monumento nacional sob tutela do Estado, está à espera que a Direcção Regional de Cultura Norte (DRCN) avance com o concurso público para a execução da obra. Um novo protocolo de cooperação entre a DRCN e o Município de Guimarães foi ontem aprovado em reunião do executivo, sendo que o projecto de conservação e reforço estrutural do telhado, no valor de 120 mil euros, está concluído. “A obra irá ser lançada de imediato a concurso pela DRCN, conforme me foi referido pelo director Regional de Cultura Norte”, garantiu o presidente da autarquia, Domingos Bragança.
A urgência de uma intervenção no monumento já tinha sido manifestada por Domingos Bragança, que mostrou disponibilidade em contribuir financeiramente para que a obra fosse possível.
O primeiro protocolo, explicou o presidente, não foi possível concretizar dentro do prazo previsto “por vicissitudes de vária ordem, não imputáveis ao Município de Guimarães”.
“Dois terços do valor necessário para a recuperação da cobertura da igreja e de mais algumas obras de recuperação, cujo objectivo é o da salvaguarda de um património inestimável, foram já nessa altura disponibilizados pela câmara, porque entendemos que, apesar da responsabilidade dessa preservação recair sobre o Estado, devemos pugnar pela sua rápida viabilidade”, assumiu o presidente, garantindo que a autarquia mais não pode fazer do que esperar.
De destacar que o restante valor seria disponibilizado por um mecenas, a Fundação Iberdrola, que, entretanto, acabou por desistir do apoio financeiro.
Já para o vereador do PSD, André Coelho Lima, o novo protocolo é “rigorosamente igual” ao celebrado em 2017. “A igreja românica é um dos patrimónios mais relevantes que temos no concelho”, evidenciou.
O vereador da oposição foi mais longe: “durante quatro anos nada foi feito e em ano eleitoral vem o mesmo protocolo”. André Coelho Lima deixou, por isso, o recado: “não há dúvida que aqui a coincidência temporal de vir sempre em ano de eleições a celebração do protocolo merece a nossa censura”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho