Correio do Minho

Braga, sábado

Guimarães: Bicicleta reclamada para transporte diário
Segurança e Saúde no Trabalho em destaque no Fórum

Guimarães: Bicicleta reclamada para transporte diário

Universitários criam jogos inovadores para alunos cegos e de baixa visão

Vale do Ave

2012-01-27 às 06h00

Marta Amaral Caldeira

Movimento ‘Massa Crítica’ está a ter forte adesão em Guimarães e reclama mais condições para usar bicicleta como transporte diário.

Hoje é dia de mais um encontro em bicicleta para os membros do movimento ‘Massa Crítica’ de Guimarães, que tentam promover este veículo enquanto ‘melhor’ meio de transporte na cidade.
O movimento, internacional, tem crescido nos últimos tempos em várias cidades da Europa e do país, mas em terras vimaranenses tem ‘aliciado’ muitos, que já utilizam a bicicleta, no seu dia-a-dia, para se deslocar mais rapidamente e sem poluir o meio ambiente.

O primeiro encontro em Guimarães aconteceu em 2010, com a presença de, apenas, quatro participantes. Ao movimento juntou-se, desde o primeiro momento, a AVE - Associação Vimaranense para a Ecologia.

Manuel Coelho é um desses quatro elementos do grupo promotor do movimento vimaranense, que aponta que “a bicicleta deve ser vista como um importante meio de transporte nas cidades, por oposição a outras viaturas que são muito poluentes”.

O movimento internacional, originalmente nascido na cidade de São Francisco, nos anos 90 - estabelece que os seus ‘membros’ - que pode ser qualquer pessoa que partilhe os mesmos valores - se encontrem uma vez por mês, sempre na última sexta-feira, ao final do dia - precisamente porque é nessa altura que mais tráfego se concentra - para darem ‘um passeio de bicicleta’ em conjunto e, assim, fazer publicamente uma espécie de ‘chamada de atenção’ para a importância de diminuir o trânsito que circula no meio da cidade.

O Largo da Oliveira, mesmo no centro histórico de Guimarães, é sempre o ponto de encontro para os ‘membros’ deste clube, que, dependendo do clima que se faz sentir, se juntam em maior ou menor número.

João Sarmento é professor de Geografia na Universidade do Minho no Campus de Azurém, em Guimarães, e integra, também, o movimento pro bicicleta. Utiliza-a para as suas deslocações pela urbe, mas defende a necessidade de mais ciclopistas no centro histórico.
“É preciso prepararmos a cidade de Guimarães, também, para o futuro. Apesar de existir uma ciclovia, ela está deslocada do centro da cidade. É excelente para o lazer, mas não para quem quer usar a bicicleta, todos os dias, como o seu meio de transporte”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.