Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Guerreiros entram a reinar mas deixam-se engolir pela Pantera
Porto de mar acolhe centro de investigação tecnológica

Guerreiros entram a reinar mas deixam-se engolir pela Pantera

Ministra da Cultura abre Feira do Livro de Braga

Desporto

2019-05-12 às 06h00

Miguel Machado

Terceira derrota seguida e quinta nos últimos sete jogos, confirmam final de época desastroso do SC Braga. Equipa de Abel esteve a vencer por 1-0 e 2-1, mas permitiu a reviravolta do Boavista.


O Guerreiro está doente. Derrota no estádio do Bessa, por 4-2, confirma prognóstico reservado para a equipa de Abel Ferreira, que está a fazer um final de campeonato irreconhecível. Os bracarenses até estiveram por duas vezes em vantagem, mas mesmo assim sairam derrotados. Um autêntico desastre, sem explicação. Ou melhor, os erros pagam-se caro. Sobretudo no sector defensivo. O SC Braga somou, ontem, a terceira derrota seguida, depois de perder com o Benfica (1-4) e Marítimo (1-0), a equipa bracarense deixou-se também engolir pela Pantera, na 33.ª e penúltima jornada da I Liga.
Apesar do ambiente adverso e hostil que encontrou no Bessa, com quase 20 mil axadrezados a saudar a sua equipa no último jogo em casa da temporada, os jogadores do SC Braga entraram bem na partida, a vergar o adversário. O tiro de Palhinha, logo aos cinco minutos, confirmou a entrada forte dos Guerreiros.
Inaugurado o marcador, o ritmo do jogo aumentou para futebol e emoção total. Pouco depois, Wilson e Esgaio podiam ter aumentado a vantagem para o Braga, mas foram perdulários para a baliza de Bracali.
O Boavista reagiu e aos 22 minutos fez o empate, por Obiora, após cruzamento de Carraça.
Porém, durou pouco a festa no Bessa, já que quatro minutos volvidos, o SC Braga voltou a adiantar-se, num penálti a castigar mão na área boavisteira, de Bueno. Wilson não desperdiçou.
Sem nada a perder, e empurrados pela fúria nas bancadas, o Boavista lançou-se e voltou a ser premiado, aos 40 minutos, uando Yusupha protagonizou uma recarga a um primeiro remate de Rafael Costa. O 2-2 deu maior ânimo aos axadrezados que consumaram a reviravolta ainda antes do intervalo. Fizeram o 3-2 aos 43 minutos, num desvio de Mateus, ao segundo poste, após cruzamento de Gustavo Sauer.
Nova cambalhota no marcador catapultou o duelo para uma segunda parte ainda mais intensa, mas começou a complicar-se para os Guerreiros do Minho quando aos, 49 minutos, o avançado espanhol Carlos Bueno fez o 4-2 para os da Boavista.?
A reacção do SC Braga foi guerreira, Abel mexeu na equipa, lançando quase de imediato o médio João Novais e o avançado Dyego Sousa, mas as jogadas ofensivas esbarraram na inspiração do guarda-redes Bracali, que já na primeira parte, teve defesas de bom nível. E na segunda parte esteve mais intransponível. Exemplos claros foram as paradas do guarda-redes do Boavista aos remates de Palhinha e de Wilson. Faltava melhor finalização para evitar o pior, como ficou demonstrado em mais um lance, aos 77 minutos, em que Dyego Sousa rematou ao poste.
Inglório, o SC Braga somou terceira derrota consecutiva e a quinta nos últimos sete jogos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.