Correio do Minho

Braga,

- +
Frossos: Corte no RSI deixa mãe de deficiente angustiada
Buda Terrace: beber e petiscar com panorâmica para o coração da cidade

Frossos: Corte no RSI deixa mãe de deficiente angustiada

A vontade era tanta que o milho ‘evaporou’ na desfolhada minhota de Parada de Gatim

Frossos: Corte no RSI deixa mãe de deficiente angustiada

Casos do Dia

2010-09-17 às 06h00

Teresa M. Costa Teresa M. Costa

Com uma filha deficiente profunda para cuidar, Maria do Céu Fernandes não se conforma com a redução no rendimento social de inserção que não atende às despesas que tem.

Tal como muitos beneficiários Maria do Céu da Silva Costa Fernandes, residente em Frossos, concelho de Braga, foi notificada, em Agosto último, de que passaria a receber menos de Rendimento Social de Inserção (RSI), neste caso, quase menos 200 euros.

Maria do Céu, que é mãe de uma criança de nove anos deficiente profunda, não se conforma com o ‘corte’ até porque nada mudou nos seus rendimentos. Pelo contrário, nos últimos anos aumentaram as despesas de saúde e higiene com a pequena Ana.

Maria do Céu recebia, até Agosto, 441,52 euros e a prestação foi reduzida para 264,46 euros.
Até compreende que as regras de cálculo tenham mudado, mas contesta a atribuição de apoios a quem não precisa.

Maria do Céu conta que não chegam 100 euros para a medicação e fraldas da Ana, a que acrescem as despesas com a higiene e alimentação, já que a criança, no último ano, deixou de comer por si e tem de ser alimentada através de botão de gastrostomia, o que implica cuidados acrescidos.

A agravar ainda mais o orçamento familiar, suportado pelo ordenado do marido, a pequena Ana precisa de um novo apare-lho por causa dos problemas respiratórios.
Maria do Céu até já pediu uns orçamentos, mas o mais barato é de 736,89 euros e não tem dinheiro para fazer face a mais esta despesa.

É que com o recálculo da prestação de RSI, Maria do Céu perdeu também outros apoios sociais: no caso por existir no agregado familiar um elemento com deficiência física e mental profundas e também o apoio para compensar despesas de habitação.

“A Segurança Social não está a ver as despesas com saúde e higiene” lamenta Maria do Céu, cansada de lutar nos últimos oito anos.
Desde que a filha nasceu, há nove anos, Maria do Céu trabalhou cerca de um ano, mas teve de deixar a empresa onde estava há 16 anos para acompanhar os tratamentos e frequentes internamentos da pequena Ana.

“A Ana necessita dos cuidados imprescindíveis prestados por sua mãe para todas as suas funções vitais” atesta uma carta do hospital de Braga.

A criança ficou conhecida, por, há dois anos, ter sido colocada num agrupamento escolar, apesar da deficiência profunda, quando a mãe reivindicava uma vaga na APPACDM.
Maria do Céu tem mais dois filhos: um bebé de cerca de dois anos e outro ainda a estudar.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.