Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Francisco Mota é o novo líder da Juventude Popular nacional
Teresa Andresen: Construiu-se em cima dos nossos melhores terrenos agrícolas

Francisco Mota é o novo líder da Juventude Popular nacional

Câmara de Montalegre aplica 500 mil euros na Agricultura

Francisco Mota é o novo líder da Juventude Popular nacional

Braga

2020-01-27 às 08h03

Paula Maia Paula Maia

Vitória de Francisco Rodrigues dos Santos à liderança do CDS-PP colocou ex-dirigente bracarense na presidência da Juventude Popular nacional.

Francisco Mota é o novo líder da Juventude Popular (JP) nacional, sucedendo no cargo a Francisco Rodrigues dos Santos.
O ex-líder da JP de Braga era o primeiro vice-presidente da comissão política nacional da estrutura, pelo que, estatutariamente, com a saída de Francisco Rodrigues dos Santos, assume o seu lugar.
Recorde-se que Francisco Mota pediu há pouco mais de uma semana a demissão da JP de Braga, estrutura que dirigia há mais de uma década.

Apesar de partir para um mandato que será de “transição”, com a duração de meio ano devido ao limite de idade, Francisco Mota adiantou ao CM que isso não signifique que este será pautado por “um vazio de idei-as’.
“Há muito trabalho a fazer”, assegura o dirigente que foi o representante do distrito da candidatura de Francisco Rodrigues dos Santos eleito líder do CDS-PP no congresso que teve lugar este fim-de-semana, em Aveiro.
Francisco Rodrigues dos Santos, que vai ter como presidente Filipe d’Ávila que foi um dos seus adversários na corrida à liderança do partido.

Ao CM, Francisco Mota avançou que este resultado não representou uma surpresa. “Só ficaria surpreendido se não tivesse andado no terreno e não soubesses que este era um projecto mobilizador”.
O novo líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, agradeceu aos militantes por terem ajudado o partido a fazer “prova de vida”, que tem “um papel insubstituível” em Portugal para “combater as esquerdas”.
No encerramento do 28.º congresso nacional, em Aveiro, afirmou que o encontro foi “uma prova de vida para o CDS” e resposta para “aqueles que acham” que estava “a viver um período de definhamento”.
“Daqui não arredamos pé para combater as esquerdas e o socialismo vigentes em Portugal”, afirmou aos delegados, na sessão de encerramento de dois dias de congresso, em Aveiro.
A lista do novo líder recebeu 865 votos, o que corresponde a 65,7%, e 451 votos em branco.

A lista ao conselho nacional, órgão mais importante entre congressos, liderada por Francisco Rodrigues dos Santos, obteve 51,9% (678 votos) e a de João Almeida, o candidato derrotado, obteve 581 (44,5%) e 45 brancos.
O conselho de jurisdição, a que concorreram duas listas, a lista A, a do líder, recolheu 699 votos (53,9%) e a B, de João Almeida, 508 (39,2) e 89 brancos.
Para o conselho de fiscalização também concorreram dias listas, tendo a A recebido 714 votos (54,3%) e a B 490 votos (37,2%) e 111 brancos.

Altino Bessa e Lídia Dias com assento nos órgãos nacionais do partido

Altino Bessa, presidente da concelhia de Braga do CDS-PP, que apoiou a candidatura de Filipe Lobo d’Ávila, é um dos vogais eleitos para Comissão Política Nacional, órgão onde consta também o nome de Francisco Mota, João Medeiros e de Rui Barreira, ex-presidente da concelhia do CDS-PP de Guimarães.
Lídia Brás Dias, vereadora da câmara Municipal de Braga, assume a posição de vogal na comissão executiva do partido.
Altino Bessa referiu que a presença do seu e de outros nomes nos órgãos nacionais resultou de um diálogo com o novo líder que procura desta forma dar “um sinal de unidade” e de “criação de pontes”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.