Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Festival Vaudeville Rendez-Vous de regresso para a sétima edição
Cerca de 50 vinhos a concurso para eleger os melhores do Vinho Verde Fest

Festival Vaudeville Rendez-Vous de regresso para a sétima edição

Fraião benze novos Quadros Bíblicos e Igreja Paroquial Milenar restaurada

Festival Vaudeville Rendez-Vous  de regresso para a sétima edição

Nacional

2021-06-18 às 13h13

Redacção Redacção

Com duas estreias absolutas e cinco nacionais, o evento conta com 13 espectáculos, que vão passar por quatro cidades da região Norte

O Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous está de regresso às cidades de Barcelos, Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão para a sétima edição. Promovido pelo Teatro da Didascália, o evento, que se realiza entre os dias 19 e 24 de Julho, integra um total de 13 espetáculos – dois dos quais estreias absolutas e, ainda, cinco estreias a nível nacional. Às 26 apresentações, de entrada gratuita, somam-se diversas atividades de mediação, que contemplam quatro oficinas de criação dirigidas a todos os públicos, duas masterclasses orientadas para profissionais das artes, uma oficina dirigida a malabaristas e skaters e uma sessão de pitching entre criadores e programadores.

A edição deste ano fica, ainda, marcada pela apresentação pública do projeto de cooperação europeu Circuslink – desenvolvido pela Archaos (Bienal de Circo de Marselha, França), Festival Dynamo (Dinamarca), Letni Letna (República Checa) e Teatro da Didascália (Portugal) –, no dia 21 de Julho, às 15 horas, no Jardim do Paço dos Duques, que vem materializar o trabalho de internacionalização que o Festival tem realizado ao longo dos últimos dois anos. Neste âmbito, o Vaudeville acolhe a estreia absoluta de Váld, da companhia sueca Right Way Down, e, também a partir deste projeto, o espetáculo Otus, da companhia portuguesa Oliveira & Bachtler, que irá circular internacionalmente.

Recorde-se que o Vaudeville Rendez-Vous é um festival internacional focado na programação de circo contemporâneo e formas transdisciplinares para o espaço público. Ao longo das várias edições, o evento tem vindo a apostar em propostas artísticas que apontam para a descoberta de novas formas, reinventando os padrões estéticos e técnicos habitualmente associados ao circo. Para a edição de 2021, o Festival distingue Étienne Tribu com uma bolsa de criação, que resultou no espetáculo Là-bas, uma coprodução que terá estreia nacional no evento. Todas as atividades do Festival decorrerão ao ar livre, mas, na edição deste ano, será necessário reservar os bilhetes, de forma a controlar as entradas e a lotação, que será bastante mais reduzida. Aconselha-se a consulta de mais informação nos sites dos municípios de Barcelos, Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão.



Estreias absolutas marcam a sétima edição do Vaudeville

Nesta edição, o Festival Vaudeville Rendez-Vous fica marcado por duas estreias absolutas. Utilizando múltiplos corpos e a desconstrução da técnica convencional de pinos, Váld é uma exploração da transformação do foco individual em algo mais expansivo. Refletindo a força da floresta e a forma como uma única entidade prospera em unidade, a companhia sueca Right Way Down, um coletivo de seis equilibristas, utiliza o equilíbrio como pincel de pintura para se apoiar na destruição, decadência e renascimento. Espelhando a natureza simbiótica da floresta, com as suas raízes entrelaçadas, juntam-se neste espetáculo para criar uma nova forma de equilíbrio. O espetáculo estreia-se de forma absoluta, dando início às apresentações do Festival, no Jardim do Paço dos Duques, em Guimarães, no dia 21 de julho, às 22h00, e no Parque da Devesa – concha acústica, em Vila Nova de Famalicão, a 24 de julho, às 22h00.

Destaque, ainda, para a estreia absoluta de Do you still want to dance with me?, que chega ao Vaudeville pelas “mãos” do INAC – Instituto Nacional de Artes do Circo em coprodução com o festival. No espetáculo, um grupo de futuros artistas de circo são confrontados com uma realidade diferente. Apesar da percepção que todos temos do circo contemporâneo, do que significa para o artista e daquilo que este permite ao experienciar, há constantemente um início e final diferentes. Como podemos dançar diante de uma guerra invisível? Como nos podemos entusiasmar e envolver com a distância? Como podemos aprender com o medo do outro? Estas são as questões a que 27 corpos, 27 cabeças e 27 corações irão responder. A atuação decorre no Parque da Devesa, em Famalicão, a 22 de julho, às 19h00.



Forte influência francesa entre as estreias nacionais
São cinco os espetáculos de origem francesa e espanhola que se estreiam em território nacional na sétima edição do Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous. Là-bas, trazido pela companhia francesa Compagnie Troubles Champêtres, é um espetáculo de circo contemporâneo que junta a escrita dramática com o circo ao ritmo da roda Cyr. Representa a história de um jovem, que migra do seu país de origem para novas terras e que, através do seu diário, conta ao público os seus sonhos, dúvidas e histórias de amor. Com texto, direção e interpretação de Étienne Tribu – vencedor da bolsa de criação desta edição do festival –, o espetáculo estreia-se a 22 de julho, às 19h00, em Guimarães (Jardim do Paço dos Duques), passando, ainda, pelo Parque da Devesa, em Famalicão, no dia 23 de julho, às 19h00, e pelo Parque Radical, em Barcelos, no dia 24 de julho, às 11h00.

Em Random, o francês Joel Martí e o espanhol Pablo Molina jogam com a linha que faz a fronteira com o perigo. Equilíbrio, contorção, corda bamba, dança, teatro e diálogos perturbadores criam uma história dificilmente credível. Narrada por este duo “pronto para qualquer coisa”, a performance será apresentada no Parque da Devesa – Cúpula, em Famalicão, no dia 22 de julho, às 22h00, sendo levada ao Jardim do Paço dos Duques, em Guimarães, no dia 23 de Julho, às 22 horas, e à Praceta Francisco Sá Carneiro, em Barcelos, no dia 24 de Julho, às 22 horas.

Em Baïna[na], o coletivo francês G. Bistaki volta a aproveitar o espaço público para elaborar um cenário social, sonhador e absurdo do nosso mundo contemporâneo. Vestidos com fatos brancos e armados com pás de neve e milho como alimento para pensamentos, Florent Bergal, Sylvain Cousin, Juve Faury e François Jullot convidam a plateia a participar numa viagem coreográfica e musical surpreendente, complementada com imagens desatualizadas, futuristas ou fantásticas, para dar ao espectador uma visão da nossa sociedade. O uso do malabarismo, drama ou dança, resulta numa linguagem comum que dá origem a situações por vezes loucas e muitas vezes absurdas onde o escárnio e o riso prevalecem. Este circo sem danças, cruzamento entre disciplinas, estreia-se na Praceta Francisco Sá Carneiro, em Barcelos, a 23 de Julho, às 22 horas, passando, também, pelo Museu D. Diogo de Sousa, em Braga, no dia 24 de Julho, às 22 horas.



Wake up! junta Contentin Diana e Leonardo Ferreira numa trajetória sem fim, um caminho linear e contínuo e com temporalidades distintas. A performance – que irá decorrer a 24 de julho, às 11h00, no Museu D. Diogo de Sousa (Braga), e no mesmo dia, às 19h00, no Parque da Devesa, em Famalicão – resulta numa comunicação dramática e evolui num sentido gestual e acrobático, numa obsessão distante, congelado no seu espaço-tempo.

Diretamente de França, a Cia Kiaï traz a Portugal Pulse, uma peça com uma coreografia radical que fará o coração bater. O espetáculo decorre num espaço circular de nove metros de diâmetro, que lança os acrobatas para um ballet aéreo. Seis cabeças, 12 braços, 12 pernas sincronizados num transe, que convida o público a ser tocado pela energia bruta da acrobacia, fazendo-os embarcar numa viagem sensorial, onde o odor da transpiração se mistura com o som da respiração e com os corpos que embatem. Pulse será apresentado no Museu D. Diogo de Sousa, em Braga, no dia 22 de julho, às 22h00, com atuação também marcada para 23 de julho, às 22h00, no Parque da Devesa – Cúpula, em Vila Nova de Famalicão.

A programação do Vaudeville fica completa com Roll with it, 3D, Copyleft, Otus, Rizoma e Espera, seis espetáculos apresentados por companhias e artistas com várias influências, nomeadamente nacional, espanhola, inglesa, francesa e norte-americana, que passarão por diferentes espaços urbanos das quatro cidades que compõem o Quadrilátero Cultural – Barcelos, Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão.



Atividades de mediação querem reativar contacto com o público
Paralelamente aos espetáculos, a programação do Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous conta, ainda, com várias atividades de mediação, pensadas tanto para o público em geral, como também para os artistas profissionais que procuram ações de especialização. Ao longo dos quatro dias estão previstas oficinas de criação orientadas por duplas de artistas que irão transformar cada lugar num habitat particular, um workshop intensivo de skate – streets with attitude, masterclasses, uma sessão de pitching e, ainda, a conferência de apresentação do projeto de cooperação europeia Circuslink, uma associação de organismos de programação e difusão de espetáculos de Circo do qual o Teatro da Didascália é cofundador.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho