Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Festival Dancefloor quer “evento teste” em Julho
Plano de Comunicação 2021 do Desporto e Atividade Física: Póvoa de Lanhoso em terceiro lugar

Festival Dancefloor quer “evento teste” em Julho

Famalicão promove oficina de apoio às candidaturas aos Selos Visão 25

Festival Dancefloor quer  “evento teste” em Julho

Braga

2021-04-12 às 06h00

Redacção Redacção

Festival de Música Electrónica espera poder realizar a edição de 2021 a 30 e 31 de Julho, mas precisa de definição de regras concretas por parte da DGS.

O organizador do festival de música electrónica Dancefloor, agendado para os dias 30 e 31 de Julho em Braga, considera que a edição de 2021 “tem tudo para arrancar”, mas precisa de regras concretas por parte da Direcção--Geral de Saúde e disponibiliza-se a ser um “evento teste”.
“Temos bons contactos com as salas, mas o facto de não haver decisões e regras para este tipo de eventos é complicado e eu estaria disposto a ser um evento teste, com todas as regras do que fazemos em França”, afirmou o lusodescendente Tiago Martins que organiza o festival a partir de Paris.
O Dancefloor é um festival de música electrónica que desde há dois anos se realiza em Braga, depois de ter passado por Leiria, e que reúne anualmente 20 mil pessoas.

Com a edição de 2020 adiada devido à Covid-19, a organização, composta por diversos empresários lusodescendentes espalhados pela Europa, espera poder realizar a edição de 2021 a 30 e 31 de Julho.
“Neste momento está tudo mais ou menos pronto para arrancar. A situação da pandemia é que nos vai fazer tomar as próximas decisões”, assegurou Tiago Martins.
Este lusodescendente é também presidente da agência de marketing Marque & Co que trabalha em França com marcas como Danone ou Sanofi, mantendo eventos e parte da sua actividade mesmo durante a pandemia, considerando que o que falta em Portugal são “decisões claras”. “A grande dificuldade com Portugal neste momento é não haver decisões francas e claras e a grande diferença em relação a França (...) é que as autoridades francesas dão-nos regras e quem não cumprir as regras leva multas bastante fortes. O facto de não haver decisões sobre as regras (em Portugal) traz uma incerteza”, declarou.

Em termos da relação entre o espaço e as medidas sanitárias - o Dancefloor decorre no Altice Forum Braga -, a organização pensa criar quadrados com um número limitado de pessoas, em que amigos poderiam conviver e dançar sem máscara, utilizando--as nas zonas de circulação.
Adepto do passaporte vacinal ou uma medida europeia que unifique todas as formas de assegurar que uma pessoa não está contagiada pelo vírus, Tiago Martins conseguiu garantir junto dos seus parceiros a distribuição de máscaras e gel gratuitos para os festivaleiros, sem impactar o orçamento do evento.
“Economicamente já trabalhamos o festival para não perder nem ganhar dinheiro. Em termos da pandemia, já encontrámos um parceiro que está disposto a fazer todos os testes à entrada, oferecer máscaras aos festivaleiros e pôr gel em todos os recantos do festival”, explicou.
A edição de 2019 teve um orçamento de 350 mil euros e em 2020 previa-se um aumento. Sem perspectiva de lucros para 2021, os empresários lusodescendentes estão sobretudo preocupados com as empresas e trabalhadores portugueses.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho