Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Festival Castro Galaico impõe-se pela “qualidade inegável”
Equipas florestais do Cávado com novas viaturas

Festival Castro Galaico impõe-se pela “qualidade inegável”

Guimarães convida a ‘Curtir Ciência’

Braga

2018-07-11 às 06h00

Patrícia Sousa

Monte de N.ª Sr.ª da Consolação, em Nogueiró, acolhe a IX edição do Castro Galaico - Festival de Nogueiró. Promover a música e as tradições castrejas continua a ser o objectivo.

Chegada à nona edição, o Castro Galaico - Festival de Nogueiró continua com o objectivo de sempre: promover a música e as tradições castrejas. Com “qualidade inegável”, o festival “já se impõe no panorama cultural do concelho” e, a partir de amanhã e até domingo, são muitos os motivos para ir ao Monte de N.ª Sr.ª da Consolação.
Música do lado de cá e do lado de lá, da Galiza, tradições, recriação castreja e workshops de instrumentos e danças prometem levar muitos por estes dias àquela “varanda belíssima” sobre a cidade de Braga. E para a vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Braga, Lídia Dias, este festival “tem a capacidade de fazer o cruzamento de culturas de forma a perceber as origens e tradições, mas também dá a conhecer um espaço belíssimo e único na cidade”.
A vereadora, que falava ontem na conferência de imprensa de apresentação do certame, deu os parabéns à União de Freguesias de Nogueiró e Tenões pela “persistência” neste festival, que se realiza “num dos espaços mais bonitos do concelho”.
A juntar ao facto de todos os anos o festival trazer novos grupos e novas promessas da música assente na tradição popular, Lídia Dias destacou ainda “a nova reconfiguração do festival, que aposta na recriação do castro e dos costumes e usos, o que em termos pedagógicos é muito convidativo”.
Já o presidente da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões, João Tinoco, realçou o facto do festival manter o objectivo desde a primeira edição. “O intercâmbio e a união do povo da Galiza e do Norte de Portugal estão na origem deste festival que tem sempre representação galega”, sublinhou o autarca, destacando a participação, entre outros, de um grupo de folclore galego.
Com o apoio financeiro da Câmara Municipal de Braga, este festival é da responsabilidade da união de freguesias, que pretende que este evento seja “um festival da terra e com a envolvência das pessoas da terra”.
Também Jaime Torres, do Canto D’Aqui, evidenciou que o festival faz uma ligação às nossas origens musicais e “só com boa vontade se tem conseguido manter este festival único em termos de programação”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.