Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Feira Medieval revela património monástico pouco conhecido
Cruz Vermelha de Braga precisa de apoios para reabilitar sede

Feira Medieval revela património monástico pouco conhecido

Aldeias em Festa reúne em palco “músicos”

Feira Medieval revela património monástico pouco conhecido

Alto Minho

2019-07-13 às 06h00

Miguel Viana Miguel Viana

O modo de vida dos conventos existentes, ou que existiram, no concelho de Caminha inspiraram a edição deste ano da Feira Medieval. Evento pretende chamar milhares de pessoas ao centro histórico.

'Caminha Monástica’ é o tema da edição deste ano da Feira Medieval de Caminha, que decorre no centro da vila de 24 a 28 de Julho.
A feira, que o presidente da Câmara Municipal de Caminha, Miguel Alves, apontou como sendo “uma das cinco melhores feiras medievais do país”, pretende dar a conhecer um património ainda pouco conhecido.
“Todos os conventos que foram fundados em Caminha, tudo aquilo que existiu, tudo o que serviu Caminha, marca hoje o território. Trazemos esta vivência monástica até esta feira medieval. A Caminha Monástica é evidente mas nem toda a gente a conhece”, disse o autarca caminhense.
Em termos de programa, a edição deste ano conta com duas novidades. A primeira é a exposição ‘Caminha e as Ordens Monásticas. Os Conventos Caminhenses’, nas Arcadas dos antigos Paços do Concelho. “Vamos ter uma exposição que nos vai mostrar o espólio de um convento que existia na Ìnsua (anterior ao actual castelo) e que as pessoas, genericamente, não conhecem”, apontou Miguel Alves.
A exposição revela ainda os modos de vida nos mosteiros de S. João D’Arga e no antigo Convento de Santa Clara (actual Escola Profissional ETAP).
Na gastronomia, o destaque vai para o pastel de Santa Clara e o Bacalhau à Santa Clara.
Na apresentação do evento, o professor de História Paulo Bento explicou que Caminha sempre teve uma tradição pouco conhecida. “A dimensão conventual de Caminha não é assim tão conhecida. Tivemos ao longo da história, desde a Idade Média até aos tempos actuais, quatro edifícios conventuais com importâncias diversas”, explicou o docente.
O tema foi sugerido pelos professores de História do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, de Caminha.
O programa festivo arranca às 18 horas de quarta-feira (dia 24) com a cerimónia de abertura. Seguem-se as exibições das aves de rapina e as danças do povo. Os malabaristas antecedem as danças orientais .
Ao longo dos cinco dias da feira estão previstos vários momentos de animação levados a cabo por 12 grupos de animação.
O Acampamento Medieval, no Adro da Igreja Matriz, pode ser visitado ao longo de todos os dias da feira.
Os cortejos de abertura (22 horas do dia 24) e de encerramento (22.30 horas do dia 28) dão a conhecer as actividades económicas, religiosas, de caridade, de cultura e de educação dos mosteiros caminhenses. A feira conta com a presença de mais de 100 expositores e associações.
A Feira Medieval decorre em espaços do centro histórico como o Terreiro, o Adro da Igreja Matriz, o Largo do Poço, a Rua das Flores, as Muralhas do Covento, o Largo do Hospital, a Rua de Meios e a Rua do Vau.
Os ‘stands’ funcionam, entre quarta e sexta-feira, das 18 às 01 horas. No sábado, o horário de funcionamento é das 11 às 01 horas e no domingo, entre as 11 e a meia-noite.
Todos os espectáculos têm entrada gratuita.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.