Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Famalicão quer envolver toda a comunidade na preservação e partilha do património cultural
Maldição ucraniana afasta Guerreiros do Minho da Europa

Famalicão quer envolver toda a comunidade na preservação e partilha do património cultural

Fé e devoção nas festividades em Pedralva

Vale do Ave

2018-04-18 às 22h13

Redacção

Projeto Famalicão ID estende-se às freguesias e chega às redes sociais

O município de Vila Nova de Famalicão está a desenvolver um projeto que prevê a inventariação pormenorizada de todo o património e bens culturais existentes no concelho, envolvendo a comunidade na identificação e partilha desse espólio coletivo. Denominado Famalicão ID Sistema Integrado de Gestão e Informação de Bens Culturais, o projeto que arrancou há já algum tempo, entra agora numa nova fase de partilha e de recolha de informação, através da convocatória e envolvimento das juntas de freguesias e da própria população.

Na prática, pretende-se que a comunidade tenha consciência do vasto património cultural existente nas suas freguesias, e que possam ter um papel mais ativo na identificação, documentação, promoção e salvaguarda dos bens culturais.

Foi neste âmbito que decorreu esta terça-feira, uma reunião com todos os autarcas locais tendo em vista a divulgação do projeto e a sensibilização para a sua importância. O encontro pretendeu promover a partilha do conhecimento, mostrando quais os recursos existentes e como podem ser potenciados. Simultaneamente foi lançada uma página na rede social do facebook, que vai juntar-se à página web www.famalicaoid.org, no objetivo de divulgar e partilhar informações e imagens do património existente.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, as juntas de freguesia, através dos seus presidentes são agentes privilegiados no terreno, tendo um papel fulcral na identificação, promoção e salvaguarda dos bens culturais mais representativos para a freguesia e sua comunidade.

O alargamento e aprofundamento do projeto Famalicão ID surge no Ano Europeu do Património Cultural, que se celebra em 2018, constituindo, segundo Paulo Cunha, uma oportunidade para um encontro com a história e com a memória coletiva.

Hoje em dia, o património cultural enfrenta grandes desafios ambientais e urbanísticos, para os ultrapassar é fundamental estudar a história e conhecer as raízes, respeitando a memória coletiva, acrescenta Paulo Cunha.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.