Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Famalicão promove mega campanha de adoção de árvores
Eurodeputados minhotos: “Temos que continuar a defender a democracia e a liberdade”

Famalicão promove mega campanha de adoção de árvores

Seniores animados e competitivos em Torneio de Boccia

Vale do Ave

2018-11-20 às 16h01

Redacção

Iniciativa decorre sexta e sábado no âmbito do Dia da Floresta Autóctone

O município de Vila Nova de Famalicão vai assinalar o Dia da Floresta Autóctone, que se comemora na próxima sexta-feira, 23 de novembro, com uma mega campanha de adoção de árvores, promovida com o apoio das Comissões Sociais Inter-Freguesias (CSIF’s), envolvendo e mobilizando todo o território do concelho.
Ao todo estão abrangidos dez locais das áreas de intervenção das CSIF’s. As ações vão decorrer na sexta e no sábado e vão disponibilizar quatro mil plantas (400 em cada espaço) de 13 espécies diferentes.
Na sexta feira entre as 9h e as 17h, a campanha decorre na Escola Básica de Gondifelos. No sábado, entre as 9h e as 13h, realizam-se ações de adoção de árvores na Escola Camilo Castelo Branco, em Famalicão; na Escola Básica do Vale do Este, em Arnoso Santa Maria; na Escola Básica do 1.º Ciclo de Delães; na Casa Cardeal Cerejeira de Lousado; na Escola Básica do 1.º ciclo de Castelões; na Escola Mato da Senra, em Joane e no Centro Social e Paroquial, Edifício Novo, em Ribeirão. Das 14h às 18h, a ação segue para a sede de escuteiros de Vale S. Cosme e entre as 15h00 e as 22h, é possível adotar árvores no Centro Social de Lagoa.
Refira-se que a iniciativa está inserida no âmbito do projeto “25 mil árvores para 2025”, cujo objetivo é a reabilitação de aproximadamente 25 hectares do território concelhio através da plantação de 25 mil árvores e arbustos nativos da região em áreas urbanas, espaços rurais, ao longo das linhas de água e em montes e serras.
Com estas quatro mil árvores, o projeto chega às 13 mil árvores plantadas no concelho ultrapassando a metade do objetivo para 2025.
Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “mais importante que os números é a mensagem que este projeto leva até à comunidade, de olharmos de uma forma diferente para a nossa floresta. Cada vez mais, as pessoas estão sensibilizadas para a importância de protegermos o ambiente e a biodiversidade e isso deve-se a muitas destas iniciativas”.
O autarca salienta ainda o “grande envolvimento e participação das instituições famalicenses neste projeto”, referindo que “quando isto acontece é mais fácil preservarmos o ambiente”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.