Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Falhas próprias ditam derrota do FC Famalicão e lugar europeu ficou para trás
Caminha contrata GNR para reforçar vigilância

Falhas próprias ditam derrota do FC Famalicão e lugar europeu ficou para trás

Ponte de Lima aprova empreitada de alargamento da atual rede de esgotos em freguesias

Falhas próprias ditam derrota do FC Famalicão e lugar europeu ficou para trás

Desporto

2020-07-01 às 16h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Famalicão teve uma entrada em falso na partida, praticamente não existiu na primeira parte e acumulou erros que inviabilizaram outro resultado. Reacção foi tardia e o 5.º lugar fugiu aos famalicenses.

O Famalicão falhou na missão de colocar pressão no SC Braga, já que em caso de um hipotético triunfo sobre os algarvios, abeirar-se-ia dos Guerreiros do Minho, ficando a apenas dois pontos dos arsenalistas. Assim, com a derrota caseira diante do ‘aflito’ Portimonense, a turma minhota ficou ainda à mercê do Rio Ave.
A precisar desesperadamente de pontos na luta pela mautenção, o Portimonense entrou bem melhor no jogo, criando dificuldades à turma da casa, que nunca conseguiu impor o seu futebol dinâmico e com criatividade.
Não foi por isso de admirar que o golo dos algarvios tenha chegado relativamente cedo no encontro. Antes, porém, logo aos 11 minutos, num excelente trabalho pela direita, Tabata flectiu para o centro da área, rematou em arco e Vaná parou a bola (que ainda embateu na trave) para aquela que foi a melhor defesa da tarde.
Não levou demasiadamente a sério os avisos a equipa de João Pedro Sousa e acabou por ser castigada. Após uma desatenção de Roderick, Tabata recuperou a bola em zona adiantada, serviu o avançado Ricardo Vaz Tê e este, com tudo para marcar, não perdoou e fez mexer o marcador aos 17 minutos.
Sem capacidade para reagir, o técnico dos minhotos optou por fazer, de uma assentada, três alterações ao intervalo, deixando no balneário Centelles, Nehuén Pérez e Rúben Lameiras, para lançar para o terreno de jogo Gustavo Assunção, Riccieli e Racine Coly.
As trocas pareceram surtir algum efeito, já que o Famalicão ganhou algum ascendente no segundo tempo, exercendo maior pressão cada vez mais junto da baliza do japonês Gonda.
Logo aos 53 minutos foi Pedro Gonçalves a testar a atenção do guardião dos visitantes, que teve de fazer uma defesa complicada, bem à imagem do momento que viveu seis minutos depois, quando desviou para a trave um remate forte de Diogo Gonçalves.
A pressão famalicense manteve-se até ao final, mas o Portimonense também se sentiu confortável jogando com as linhas recuadas e explorando as costas de uma bem avançada linha defensiva minhota.
Depois de duas vitórias após a retoma, o Famalicão já não vence há três jogos e voltou a perder sete jogos depois. Segue-se uma visita a outro ‘aflito’ do campeonato, o Tondela.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho