Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Fafe: Projecto de reabilitação urbana com benefícios para proprietários
Cerveira atrai investimento de 7ME de uma fábrica de transformação de pescado para o Fulão

Fafe: Projecto de reabilitação urbana com benefícios para proprietários

Santuário do Sameiro renovado na peregrinação anual de Junho

Vale do Ave

2017-06-16 às 06h00

Redacção

ÁREA de Reabilitação Urbana da Cidade, que promete requalificar e modernizar a cidade, traz benefícios fiscais para proprietários dos edifícios.

“A Área de Reabiltação Urbana é muito importante para Fafe no seu conjunto e para a freguesia em especial, porque, a partir de agora, os cidadãos que pretendam reabilitar os seus edifícios, usufruem, de forma automática, de benefícios fiscais importantes, como a isenção do IMI, do IMT, IVA, para além de outros que podem ser criados”. As palavras são do presidente da Câmara Municipal de Fafe, Raul Cunha, na sessão de apresentação da Área de Reabilitação Urbana de Fafe, um instrumento que prevê a requalificação, modernização e sustentabilidade urbana.
A delimitação da Área de Reabilitação Urbana de Fafe traz enormes vantagens e benefícios para a cidade e para quem aí vive. Representa um esforço estratégico de aposta na reabilitação e modernização urbana que pretendemos continuar.

“Esta é uma área muito abrangente e pretende-se uma intervenção a vários níveis - no espaço público, nas infra-estruturas, nos equipamentos e no edificado - criando condições que motivem a sua recuperação e reabilitação dos edifícios degradados”, prossegue o edil fafense. E continua:“a definição da área de reabilitação urbana resultou, essencialmente, de dois aspectos: o Bairro da Cumieira, que foi o gatilho para a definição desta área. Quando nos deparámos com a necessidade de recorrer a fundos do anterior quadro comunitário e vimos que não podíamos fazer porque não tínhamos este instrumento. A partir deste momento, percebemos que para poder ter financiamento para as obras de requalificação do Bairro da Cumieira e para a regeneração urbana no Município era fundamental definirmos a ARU”, explicou o autarca.
Também a eficiência energética, a melhoria das acessibilidades para cidadãos com mobilidade condicionada, a melhor gestão da via pública e dos demais espaços de circulação serão aspectos agora também tidos em conta.

As ARU correspondem a áreas territorialmente delimitadas que, em função da insuficiência, degradação ou obsolescência de edifícios, das infra-estruturas, dos equipamentos, dos espaços urbanos e verdes, justifiquem uma intervenção estratégica.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.