Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Eurodeputados abrem caminho para novas fontes de receitas da UE
Símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude chegam a Barcelos

Eurodeputados abrem caminho para novas fontes de receitas da UE

Famalicão garante autocarros gratuitos para a noite de Carnaval

Eurodeputados abrem caminho para novas fontes de receitas da UE

Economia

2022-11-25 às 19h10

Redacção Redacção

O Parlamento Europeu abre caminho para a próxima geração de "recursos próprios" da UE, que irá gerar receita para o orçamento europeu.

Citação

O Parlamento Europeu abre caminho para a próxima geração de "recursos próprios" da UE, que irá gerar receita para o orçamento europeu.

Com 440 votos a favor, 117 contra e 77 abstenções, os eurodeputados deram um passo importante no sentido de implementar uma alteração à lei que rege as receitas da UE, a chamada "Decisão dos Recursos Próprios".

Esta emenda, uma vez adoptada pelo Conselho e ratificada por todos os Estados-Membros, introduzirá três novas fontes de receitas: as receitas do comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa (ETS); os recursos gerados pelo mecanismo de ajuste de carbono nas fronteiras da UE (CBAM); e uma parte dos lucros de grandes empresas multinacionais (com base no Pilar 1 do acordo OCDE/G20).

Preparar o próximo cabaz de recursos próprios
Os eurodeputados apelaram ao Conselho para que adote rapidamente esta decisão, de modo a assegurar a introdução dos novos recursos próprios em tempo útil. Acrescentam que a "Comissão precisa de tomar novas medidas atempadas se os novos recursos próprios propostos não forem adoptados ou não gerarem o nível de receitas previsto".
Os parlamentares chamam ainda a atenção para o facto de que, conforme definido no roteiro juridicamente vinculativo estabelecido no acordo interinstitucional, a Comissão Europeia deverá apresentar uma proposta para um segundo conjunto de novos recursos próprios até ao final de 2023. Esta poderá incluir um imposto sobre as transações financeiras e um recurso próprio ligado ao sector empresarial.

Preparar o orçamento da UE para o futuro
Na sua recente resolução sobre o orçamento da UE para o próximo ano, o Parlamento afirmou que os progressos em matéria de novos recursos próprios são essenciais tanto para pagar a dívida contraída no âmbito do NextGenerationEU como "para a solidez financeira e implementação dos quadros financeiros plurianuais atuais e futuros", os orçamentos a longo prazo da UE.
Numa votação separada, na terça-feira, o Parlamento aprovou uma resolução para a implementação da estratégia de contração de empréstimos do NextGenerationEU, elaborado pelos mesmos co-relatores responsáveis pelo dossier dos recursos próprios da UE, com 474 votos a favor, 80 contra e 78 abstenções.

José Manuel Fernandes (PPE, PT): “Com o NextGenerationEU, a Comissão Europeia foi buscar 800 mil milhões de euros aos mercados, mas há 420 mil milhões que deram origem à criação dos planos de recuperação e resiliência e também ao reforço de alguns programas que vão ser pagos pelo orçamento da União Europeia até 2058. Nós não podemos penalizar as próximas gerações. Também não podemos cortar os próximos programas e o custo do pagamento da dívida, depois de 2027 é elevado: são mais de 15 mil milhões de euros por ano, e daí a importância, cada vez maior, de novas receitas para pagarmos a dívida e para fazermos face aos novos desafios através de projetos comuns”.

Valérie Hayer (Renew, FR), co-relatora: "As instituições europeias comprometeram-se com os cidadãos europeus que a dívida contraída no âmbito do NextGenerationEU não será paga através do aumento dos impostos ou da redução dos programas da UE, mas através da criação de novos recursos próprios. É por isso que o Parlamento - numa altura em que estamos a finalizar as negociações sobre a reforma do mercado do carbono e sobre o mecanismo de ajustamento carbónico fronteiriço - está a reconfirmar, através desta votação, a sua posição de forma clara e vigorosa. É uma questão de respeito pelos nossos compromissos enquanto decisores políticos, e da nossa credibilidade junto dos investidores. Não percamos mais tempo: o Conselho deve implementar rapidamente esta decisão".

Contexto

A Decisão de Recursos Próprios é uma base jurídica que prevê as fontes de receitas do orçamento da UE e que autoriza os fundos a serem emprestados nos mercados financeiros para financiar o instrumento de recuperação NextGenerationEU.
O Conselho adoptará a decisão por unanimidade após ter consultado o Parlamento Europeu. Antes de entrar em vigor, a Decisão de Recursos Próprios precisa de ser ratificada por todos os Estados-Membros.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho