Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Espólio do naufrágio quinhentista de Belinho em mostras
Partido Os Verdes promoveu caminhada guiada pela Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos

Espólio do naufrágio quinhentista de Belinho em mostras

Cerca de 7 mil crianças integraram programa EducaBicla em Guimarães

Espólio do naufrágio quinhentista de Belinho em mostras

Cávado

2022-08-08 às 06h00

Redacção Redacção

EM SETE MESES a mostra registou mais de 6000 visitantes, sen-do que cerca de um milhar são estrangeiros. ‘Património Submersos’ está agora em extensões expositivas em quatro locais.

Citação

No ano em que se assinalam os 450 anos de Esposende e o término do ciclo comemorativo dos 500 anos da primeira viagem de circum-navegação, a exposição ‘Patrimónios Emersos e Submersos – Do Local ao Global’ incorpora quatro extensões expositivas, que estarão disponíveis até ao final do mês de Setembro.
A constituição de extensões expositivas individuais, mas complementares entre si, estão distribuídas em locais estratégicos, fomentando a promoção e divulgação da exposição, nomeadamente através de artefactos arqueológicos do Naufrágio Quinhentista de Belinho.
Desta forma, há artefactos para (re)descobrir no átrio da Câmara Municipal de Esposende, na sede da Junta de Freguesia de Belinho, no Forte de S. João Baptista e no Centro Informação Turística de Esposende. Aliás, é este último local que acolhe a maioria das vitrines, onde pode ser admirada a maior diversidade de peças.
Para além dos artefactos integrados nestas extensões, a exposição “Mar de Histórias”, patente no Centro Interpretativo de S. Lourenço, em Vila Chã, acolhe igualmente artefactos deste naufrágio da Época Moderna.
Dos objectos agora expostos, destaca-se o “prato de oferendas” ou “de esmolas” alusivo a S. Jorge, exposto no edifício da Câmara Municipal. Para permitir o seu estudo, leitura e desfrute foi necessário assegurar a sua conservação, a qual nem sempre se limita a garantir um ambiente estável. Neste caso, impôs-se um tratamento mais invasivo, que passou por uma limpeza superficial, que obrigou à remoção de uma camada de corrosão ativa, à aplicação de inibidores de corrosão e, no final, uma camada de proteção. Com esta intervenção este objeto tornou-se mais legível e revelou pormenores de qualidade da técnica de execução, que poderão agora ser estudados pelos historiadores de arte.
Em sete meses de abertura ao público, a exposição ‘Patrimónios Emersos e Submersos’ registou mais de 6.000 visitantes, dos quais mais de 4.700 são portugueses, oriundos de todo o País, destacando-se os mais de 1.700 de Esposende.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho