Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Equipas de Intervenção Permanente em Caminha e Ancora já estão no ativo
Obras da Rua de Santa Marta visitadas pelo autarca de Barcelos

Equipas de Intervenção Permanente em Caminha e Ancora já estão no ativo

Em Monção crianças aprendem a comer enquanto brincam

Alto Minho

2018-05-16 às 16h15

Redacção

Duas Equipas de Intervenção Permanente (EIP), compostas por cinco elementos cada, reforçam desde ontem os efetivos das corporações de bombeiros de Caminha e Vila Praia de Âncora. Estas equipas, profissionais, destinam-se ao cumprimento de missões que, no âmbito da Proteção Civil, estão confiadas aos bombeiros.

Duas Equipas de Intervenção Permanente (EIP), compostas por cinco elementos cada, reforçam desde ontem os efetivos das corporações de bombeiros de Caminha e Vila Praia de Ancora. Estas equipas, profissionais, destinam-se ao cumprimento de missões que, no âmbito da Proteção Civil, estão confiadas aos bombeiros.

As EIP ficam sediadas em permanência nos quartéis de bombeiros, no caso em Caminha e em Vila Praia de Ancora, prontas para ocorrer a qualquer situação de urgência e/ou emergência registada no concelho. Ontem, primeiro dia de trabalho, o presidente da Câmara, Miguel Alves, visitou as duas corporações e deu as boas vindas aos novos elementos.

Com a aproximação de dias mais quentes e o inerente perigo de ocorrência de fogos, este combate é o foco principal, mas na verdade as competências e funções das EIP são bem mais abrangentes.

As Equipas de Intervenção Permanente são, de facto, equipas de bombeiros profissionais que se destinam ao cumprimento de missões no âmbito da Proteção Civil. De acordo com a legislação, as equipas têm por missão assegurar, em permanência, o socorro às populações, designadamente nos casos de combate a incêndios, mas também quando ocorram desabamentos, abalroamentos; em todos os acidentes ou catástrofes; socorro a náufragos; socorro complementar, em segunda intervenção, desencarceramento ou apoio a sinistrados; no âmbito da urgência pré-hospitalar, não podendo substituir-se aos acordos com a autoridade nacional de emergência médica Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM); minimização de riscos em situações de previsão ou ocorrência de acidente grave; colaboração em outras atividades de proteção civil, no âmbito do exercício das funções específicas que são cometidas aos corpos de bombeiros.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.