Correio do Minho

Braga,

Em corrida ou caminhada é vital associar-se à luta contra o AVC
Vieira do Minho reclama voz com regionalização corajosa

Em corrida ou caminhada é vital associar-se à luta contra o AVC

Turismo é o grande motor da reabilitação urbana

Braga

2018-10-16 às 06h00

Teresa M. Costa

A partir da Avenida Central pode associar-se à corrida ou caminhada contra o AVC, no próximo dia 28 de Outubro. As inscrições estão abertas e o objectivo é superar os dois mil participantes de 2017.

A iniciativa já conta cinco anos, mas continua a ser vital correr e caminhar contra o AVC pelo que a iniciativa que junta vários parceiros, em Braga, volta a realizar-se, este ano, no próximo dia 28 de Outubro.
Além do Hospital de Braga, da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral, do Município de Braga, através do pelouro do Desporto e do Núcleo de Estudantes da Universidade do Minho (NEMUM), a corrida e caminhada vital contra o AVC congrega, este ano, mais um parceiro - a Associação Nacional de Unidades de Saúde Familiar (USF-AN).
Na quinta edição da iniciativa, o objectivo ambicioso é chegar aos três mil participantes depois de, o ano passado, ter mobilizado dois mil.

A vereadora do Desporto do Município de Braga, Sameiro Araújo, acredita que o número de participantes vá aumentar, não só pelas entidades envolvidas, mas porque a prática desportiva tem aumentado massivamente no concelho, em ano de Cidade Europeia de Desporto.
A responsável pelo pelouro do Desporto lembra que o desporto, aliado à alimentação são mais-valias para prevenir o AVC.
Sameiro Araújo destaca ainda o trabalho em rede que permite que a mensagem chegue a um número alargado de pessoas.

A directora do Serviço de Neurologia do Hospital de Braga, Fátima Almeida, lembra que a corrida e caminhada têm como principal objectivo sensibilizar a população para estilos de vida saudáveis.
A corrida e caminhada vital é uma chamada de atenção para os principais factores de risco que incluem o tabagismo, a tensão arterial elevada, a obesidade e o colesterol que é preciso evitar, aponta Fátima Almeida.
Para o representante da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral, José Nuno, é importante prevenir e explicar à população o que é um AVC, identificando a falta de conhecimento sobre os sintomas e a doença em si.
José Nuno sublinha que, em caso de AVC, “o tratamento tem que se administrado o mais rapidamente possível”.
Os sintomas de AVC incluem alterações da face, da fala e da força.

Cristina Afonso, da USF-AN, realçou este evento como “exemplo de um Serviço Nacional de Saúde de Emergência que envolve a população, agentes da comunidade, o poder político local e dois níveis de cuidados de saúde: primários e hospitalares privilegiando a promoção da saúde”.
Para o NEMUM, o evento é uma forma de sensibilizar não só a população para este problema que pode ser letal em muito pouco tempo, mas também os estudantes, fomentando esta vertente do curriculum que é o contacto com a população e a organização de eventos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.