Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Duas bibliotecas e 60 mil títulos enriquecem escola Sá de Miranda
Santa Casa de Vila Verde celebra dia do Pai em todas as valências

Duas bibliotecas e 60 mil títulos enriquecem escola Sá de Miranda

Dupla armada assaltou carrinha de valores

Ensino

2013-12-31 às 06h00

Teresa M. Costa

Na antiga biblioteca da Escola Secundária Sá de Miranda (ESSM) há livros que não existem nem na Biblioteca Nacional, mas este é apenas um pretexto para visitar aquele espaço preservado, mesmo depois da requalificação da escola que deu lugar a uma nova biblioteca.

Na antiga biblioteca da Escola Secundária Sá de Miranda (ESSM) há livros que não existem nem na Biblioteca Nacional, mas este é apenas um pretexto para visitar aquele espaço preservado, mesmo depois da requalificação da escola que deu lugar a uma nova biblioteca.
Duas bibliotecas e cerca de 60 mil títulos são motivo mais que suficiente para uma visita à Escola Sá de Miranda, mesmo que nunca tenha sido aluno.

As obras de requalificação da escola previam que a biblioteca saísse do espaço actual, por questões de segurança, mas professores e antigos alunos mobilizaram-se e “felizmente conseguiu-se uma solução” explica o director da Secundária Sá de Miranda, Fausto Farinha.
Além de guardar os títulos mais antigos - que podem interessar mais aos investigadores - a biblioteca continua a poder ser visitada e a funcionar como ‘sala de aula’, acrescenta o responsável da escola que se orgulha de aí ter descoberto, quando chegou ao Sá de Miranda, em 1983, um livro que nem estava catalogado.

Ainda há títulos nessa situação, descreve a professora bibliotecária Cândida Batista, que explica que “ainda há muito acervo por documentar”.
Dos 60 mil títulos, só 20 mil estão catalogados.
De raiz, no novo edifício que nasceu com a requalificação da escola, foi construída outra biblioteca que responde às duas dimensões: é depósito de livros e permite o livre acesso a livros e outros suportes.

Hoje em dia, há uma nova filosofia: não são bibliotecas silenciosas, mas têm uma dinâmica viva muito interessante, descreve a professora bibliotecária.
A biblioteca da ESSM promove encontros com escritores e actividades culturais de encontro às necessidades dos alunos, sem nunca esquecer que a função fundamental de uma biblioteca é “formar leitores, mesmo que seja noutros suportes” sustenta Cândida Batista que admite: “é inevitável acompanhar os tempos”.

No âmbito do Agrupamento de Escolas Sá de Miranda, há um projecto de leitura que segue para todos os estabelecimentos com os ‘Livros viajantes’ que os alunos podem levar para casa para os pais ou avós lhes lerem.

A partir do 5.º ano, o projecto inclui sugestões de leitura e os alunos podem ir à biblioteca ou as professoras bibliotecárias vão ao seu encontro na sala de aula.
Sem querer competir com outras bibliotecas, a ESSM quer abrir-se cada vez mais à comunidade, atraindo não só encarregados de educação e ex-alunos, mas também pessoas que se identifiquem com a escola.

Capas novas e livros digitalizados para preservar espólio

Na hora de dividir o espólio entre as duas bibliotecas da Escola Secundária Sá de Miranda (ESSM), os livros após 1950 foram para o novo espaço.
Na antiga biblioteca, há ainda um espaço reservado onde se guardam os livros do período entre os séc. XVI e XVIII.

Também ficaram na antiga biblioteca os títulos que deixaram de ser procurados, nomeadamente devido a alterações curriculares, refere a professora bibliotecária, Cândida Batista.
O ano passado foi feito, pela escola, um investimento para encapar alguns livros com o intuito de os preservar.
Outra aposta é na digitalização de livros antigos, aponta Cândida Batista, apontando os 150 títulos já digitalizados num processo que é para continuar.

As bibliotecas da Escola Secundária Sá de Miranda foram enriquecidas por doações, com destaque para os livros doados pelo Pe Alberto Azevedo e por Humberto Soeiro, que já ganharam um ‘espaço’ próprio.
A biblioteca da ESSM continua a receber doações.

Gande parte dos livros que preenchem a antiga biblioteca foram doados por Pereira Caldas, antigo professor que leccionou em finais do séc. XIX e início do séc. XX.
A Odisseia em latim, datado de 1540, é o livro mais antigo da biblioteca da Escola Secundária Sá de Miranda e faz parte do espólio doado por Pereira Caldas.
A professora bibliotecária não tem dúvidas que a antiga biblioteca se manteve preservada porque “todos os que por aí passaram cuidaram dela”.

Há aulas propícias a serem ministradas na antiga biblioteca como a declamação de uma poesia ou a apresentação de certos trabalhos na área das letras.
É ainda um espaço adequado para uma pequena conferência que junte 30 a 40 pessoas, aponta o director, Fausto Farinha.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.