Correio do Minho

Braga,

Dos transportes ao turismo passando pela recolha de lixo
Corrida do Porco Preto alcançou meta traçada de 450 participantes

Dos transportes ao turismo passando pela recolha de lixo

Barcelos recebe prova de juniores da Taça do Minho de Ciclismo

Cávado

2019-04-18 às 06h00

Teresa M. Costa

Greve dos motoristas de matérias perigosas, convocada por tempo indeterminado, já está a afectar diversos sectores em todo o país, desde os transportes à recolha de lixo, passando pelo turismo.

A greve convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica, está a ter impacto em todo o país e em diversas actividades.
A greve começou às 00.00 horas de segunda-feira com vários postos de abastecimento de combustível a entrar em ruptura nas primeiras 24 horas, tendo o Governo avançado com a requisição civil e decretado serviços mínimos que, até ontem, se restringiam às áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.
Um motorista, que não aderiu à greve, revelou ontem ao ‘Correio do Minho’, enquanto abastecia um posto de abastecimento de combustível na cidade de Braga, que a procura da empresa onde trabalha disparou, desde que foi divulgada a greve.
No caso deste motorista, que não quis identificar-se por medo de represálias por parte dos grevistas, na terça-feira, começou a trabalhar às 4 horas e só terminou às 20 horas.
Apesar de não ter aderido à greve, este profissional, que trabalha com matérias perigosas várias horas por dia, reconhece a luta da classe, não tanto pela questão salarial, mas pelos riscos da profissão e pela antecipação da reforma.
Os impactos da greve fazem-se sentir em vários sectores.
Um grupo de transporte público que serve cinco dos dez concelhos do Alto Minho informou ontem a redução de 70 por cento das 140 carreiras diárias, limitando os serviços às horas de ponta.
"Estamos com dificuldade em garantir o abastecimento de combustível para os 75 autocarros da Auto Viação Cura e da Transcolvia, e por esse motivo as carreiras públicas de transporte de passageiros funcionarão apenas entre 7 e as 9 e entre as 17 e as 20 horas", afirmou o porta-voz do grupo Cura, Rui Matos.
O responsável adiantou que os dois operadores do grupo servem os concelhos de Viana do Castelo, Ponte de Lima, Ponte da Barca, Arcos de Valdevez e Caminha.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.