Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Dor “é um dos maiores desafios da Medicina”
Póvoa de Lanhoso: Associação de Invisuais quer alargar acordo com a Segurança Social

Dor “é um dos maiores desafios da Medicina”

Andebol: Maiatos atrevidos obrigam ABC a ligar o turbo na segunda parte

Braga

2017-05-19 às 12h20

Patrícia Sousa

Por a dor ser “um dos maiores desafios da medicina agora e no futuro”, faz todo o sentido a discussão do tema porque “é transversal a toda a actividade de saúde”, admitiu, ontem, o médico fisiatra e responsável pela Consulta da Dor do Hospital de Braga, Filipe Antunes, à margem das Jornadas de Medicina Física e de Reabilitação na Dor. Para os especialistas que estiveram reunidos no Hospital de Braga a formação constante e a investigação são fundamentais nesta área.

Por a dor ser “um dos maiores desafios da medicina agora e no futuro”, faz todo o sentido a discussão do tema porque “é transversal a toda a actividade de saúde”, admitiu, ontem, o médico fisiatra e responsável pela Consulta da Dor do Hospital de Braga, Filipe Antunes, à margem das Jornadas de Medicina Física e de Reabilitação na Dor. Para os especialistas que estiveram reunidos no Hospital de Braga a formação constante e a investigação são fundamentais nesta área.

Actualmente com 50 a 60 doentes atendidos por semana, sendo 10 a 12 primeiras consultas, a Consulta da Dor é uma unidade em que “é preciso referenciação” através da clínica geral e dos centros de saúde.

“A dor, a disfunção e a depressão vão ser os grandes desafios da medicina e são áreas transversais a toda a gente, a todos os hospitais e a todos os centros de saúde, a toda a sociedade”, constatou ainda aquele responsável, explicando que a Consulta da Dor é composta por “uma equipa multidisciplinar, com apoio da Anestesia, da Medicina Física e de Reabilitação, de Enfermagem, de Psicologia, ou seja, junta vários saberes para tentar responder e ser útil a quem procura”.

A maior parte dos doentes com dor crónica têm patologia músculo-esquelética. Filipe Antunes defendeu ainda a necessidade da existência destas estruturas, que estão espalhadas pelos grandes hospitais.

Ainda na sessão de abertura das jornadas, o director clínico do Hospital de Braga, Bessa Peixoto, alertou para a necessária “diferenciação” através da formação contínua, inovação e investigação, realçando aqui o trabalho realizado pelo Centro Clínico Académico.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.