Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Distrito contraria tendência com menos mortes nas estradas
UMinho cria técnica que desperta a memória das testemunhas de crime

Distrito contraria tendência com menos mortes nas estradas

Presidente Marcelo inaugura Centro Português do Surrealismo em Famalicão

Casos do Dia

2017-12-06 às 06h00

Teresa M. Costa

Vinte e cinco pessoas morreram, nas estradas do distrito de Braga, nos primeiros 11 meses deste ano, menos um em comparação com o período homólogo de 2016. Os números do mais recente relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que contabilizam os acidentes com vítimas entre 1 de Janeiro e 30 de Novembro, revelam que o distrito de Braga continua a contrariar a tendência nacional de aumento do número de mortes e de feridos graves, a par do aumento do número de acidentes.

Vinte e cinco pessoas morreram, nas estradas do distrito de Braga, nos primeiros 11 meses deste ano, menos um em comparação com o período homólogo de 2016.
Os números do mais recente relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que contabilizam os acidentes com vítimas entre 1 de Janeiro e 30 de Novembro, revelam que o distrito de Braga continua a contrariar a tendência nacional de aumento do número de mortes e de feridos graves, a par do aumento do número de acidentes.

No distrito de Braga, também aumentou o número de acidentes com 9860 ocorrências, mais 78 que até 30 de Novembro de 2016, mas diminuiu o número de mortes e de feridos graves.
Nos primeiros 11 meses deste ano, os acidentes rodoviários causaram 127 feridos graves, menos 24 que no ano transacto.
No distrito de Viana do Castelo a sinistralidade rodoviária segue a tendência nacional com mais acidentes, mais mortes e mais feridos graves.

Até 30 de Novembro, registaram -se 2761 acidentes nas estradas do Alto Minho, mais 13 que no período homólogo de 2016.
Estes acidentes provocaram 13 mortos (mais cinco) e 46 feridos graves (mais sete) em comparação com o ano transacto.

As estatísticas divulgadas pela ANSR não incluem as vítimas que morrem a posteriori, ou seja, só estão contabilizados os mortos no local do acidente ou durante o respectivo transporte até à unidade de saúde. Por contabilizar estão as vítimas que morrem nos 30 dias posteriores ao acidente e que só são contabilizadas seis meses depois.
A nível nacional, a ANSR contabilizou nos primeiros 11 meses um total de 118.242 acidentes de que resultaram 460 mortes e 1978 feridos graves.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.