Correio do Minho

Braga,

Distrito contraria tendência com menos mortes nas estradas
Corredores da Praceta Padre Sena de Freitas já tem iluminação

Distrito contraria tendência com menos mortes nas estradas

Gabinete do MIT-Portugal vai ficar sediado na Universidade do Minho

Casos do Dia

2017-12-06 às 06h00

Teresa M. Costa

Vinte e cinco pessoas morreram, nas estradas do distrito de Braga, nos primeiros 11 meses deste ano, menos um em comparação com o período homólogo de 2016. Os números do mais recente relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que contabilizam os acidentes com vítimas entre 1 de Janeiro e 30 de Novembro, revelam que o distrito de Braga continua a contrariar a tendência nacional de aumento do número de mortes e de feridos graves, a par do aumento do número de acidentes.

Vinte e cinco pessoas morreram, nas estradas do distrito de Braga, nos primeiros 11 meses deste ano, menos um em comparação com o período homólogo de 2016.
Os números do mais recente relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que contabilizam os acidentes com vítimas entre 1 de Janeiro e 30 de Novembro, revelam que o distrito de Braga continua a contrariar a tendência nacional de aumento do número de mortes e de feridos graves, a par do aumento do número de acidentes.

No distrito de Braga, também aumentou o número de acidentes com 9860 ocorrências, mais 78 que até 30 de Novembro de 2016, mas diminuiu o número de mortes e de feridos graves.
Nos primeiros 11 meses deste ano, os acidentes rodoviários causaram 127 feridos graves, menos 24 que no ano transacto.
No distrito de Viana do Castelo a sinistralidade rodoviária segue a tendência nacional com mais acidentes, mais mortes e mais feridos graves.

Até 30 de Novembro, registaram -se 2761 acidentes nas estradas do Alto Minho, mais 13 que no período homólogo de 2016.
Estes acidentes provocaram 13 mortos (mais cinco) e 46 feridos graves (mais sete) em comparação com o ano transacto.

As estatísticas divulgadas pela ANSR não incluem as vítimas que morrem a posteriori, ou seja, só estão contabilizados os mortos no local do acidente ou durante o respectivo transporte até à unidade de saúde. Por contabilizar estão as vítimas que morrem nos 30 dias posteriores ao acidente e que só são contabilizadas seis meses depois.
A nível nacional, a ANSR contabilizou nos primeiros 11 meses um total de 118.242 acidentes de que resultaram 460 mortes e 1978 feridos graves.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.