Correio do Minho

Braga,

- +
Dia Mundial da Língua Portuguesa vai ser comemorado em Guimarães
Abel Ruiz renasce no fim e Novais espreita a época mais produtiva

Dia Mundial da Língua Portuguesa vai ser comemorado em Guimarães

Programa Sete Mares apresenta hoje um especial com Wave Flow

Dia Mundial da Língua Portuguesa vai ser comemorado em Guimarães

Vale do Ave

2021-04-13 às 21h15

Redacção Redacção

O seminário comemorativo é uma coorganização da Câmara Municipal e da Universidade do Minho e terá lugar no Centro Cultural Vila Flor no dia 5 de maio

Ao início da tarde desta terça-feira, nos Claustros do Museu Alberto Sampaio, teve lugar a conferência de imprensa de apresentação do programa de comemoração do Dia Mundial da Língua Portuguesa, com a presença da vice-presidente, Adelina Pinto, e da Professora da Universidade do Minho, Micaela Ramon, um evento que este ano acontece na cidade de Guimarães.

Adelina Pinto, vice-presidente, começou por referir a importância da comemoração do Dia Mundial da Língua Portuguesa para Guimarães, evidenciando a natureza estratégica para a afirmação da cidade enquanto polo difusor da identidade portuguesa e, consequentemente, da Lusofonia. “Em Guimarães criámos um país, e deste país nasceu uma língua que se expandiu para o mundo”, disse. Adelina Pinto relevou a importância da língua enquanto instrumento de diálogo entre povos e de afirmação da identidade: “Aquilo que desenhámos em parceria foi um Seminário em torno da temática da língua, em formato presencial e virtual, de forma a permitir que os oradores que não se podem deslocar por motivos relacionados com a pandemia possam participar remotamente. Guimarães assume aqui um papel dialogante e privilegiado no mapa geográfico dos falantes de língua portuguesa, permitindo que esta seja valorizada nas suas múltiplas dimensões, como a económica, a académica, a cultural ou a criativa, contribuindo para a promoção da língua e de Guimarães, bem como para o reforço dos laços entre os países lusófonos”, frisou.

Por seu lado, Micaela Ramon referiu que foi a CPLP quem criou o “Dia da Língua Portuguesa” e, mais tarde, na sua 40ª Conferência Geral, realizada em Paris, em novembro de 2019, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), declarou o dia 5 de maio como Dia Mundial da Língua Portuguesa. “Este Seminário pretende ser a primeira de um conjunto de iniciativas a desenvolver ao longo dos anos, sempre para comemorar este dia 5 de maio”, disse. Micaela Ramon disse que a língua portuguesa é uma das poucas no mundo que tem estatuto de língua global, pelo facto de ter mais de 10 milhões de falantes de entre o conjunto das mais de 7000 línguas vivas. “A nossa língua pertence a um grupo restrito de pouco mais de oito dezenas com um universo de representação muito alargado. A sua influência não se faz sentir apenas nos nove países onde é língua oficial, mas um pouco por todo o mundo onde é procurada como língua de herança e como língua estrangeira. As diásporas de todos os países da CPLP levam a língua para fora desses territórios. A importância do português como língua global justifica, de sobremaneira, a existência de um Dia Mundial da Língua Portuguesa, e que a Câmara Municipal de Guimarães e a Universidade do Minho se unam para o comemorar”, disse. A professora mencionou ainda o embaixador de Portugal na Unesco, António da Nóvoa, quando este disse que o Dia Mundial da Língua Portuguesa dá visibilidade ao que designa por EC3 (Educação, Cultura, Conhecimento e Ciência), princípios que foram tidos em conta na elaboração do programa do Seminário, que está idealizado em torno de sintagmas que são universos abrangentes, e que conta com a participantes do Brasil, Cabo Verde, Angola e dos países observadores da CPLP, com grande destaque para a Galiza.

A vice-presidente, Adelina Pinto, a terminar, referiu dois pontos que ilustram a opção estratégica da realização do Dia Mundial da Língua Portuguesa em Guimarães. O primeiro é o facto do Museu da Língua de S. Paulo, que ardeu e que, depois de reconstruído, está prestes a ser inaugurado, ser apresentado virtualmente no seminário. O segundo é a cooperação entre Guimarães e o Brasil que se traduzirá na celebração de um protocolo que permitirá a difusão da arte brasileira em Portugal e da arte portuguesa, em especial a vimaranense, no Brasil. Adelina Pinto referiu ainda a importância do Projeto ComPartilha, pois “a língua é também escola, é conhecimento, é construção do saber e, acima de tudo é a relação entre povos”, disse.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho