Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Devagar, devagarinho... para este Aves chegou perfeitamente
Multiplicam-se as manifestações de pesar pela morte de D. Anacleto

Devagar, devagarinho... para este Aves chegou perfeitamente

Caminha: Trânsito cortado a partir de amanhã na rua R. João

Devagar, devagarinho... para este Aves chegou perfeitamente

Desporto

2020-06-30 às 11h13

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Moreirense confirmou um triunfo fácil, curto e justo, perante o pouco (mas suficiente) que fez frente a um Aves, que acabou despromovido. Inspiração de Aurélio e assertividade de Abreu foram decisivas.

Um momento de inspiração do lateral-direito João Aurélio, que foi por ali fora aos 52 minutos, antes de servir com um passe genial o ponta-de-lança Fábio Abreu, que empurrou a bola para o fundo da baliza, foi dos poucos, senão mesmo o único, momento de qualidade que se viu ontem à tarde na Vila das Aves e que acabou por fazer toda a diferença num duelo entre vizinhos, que confirmou uma tendência: três jogos entre estes ‘rivais’ para a I Liga na casa do Aves, três triunfos para os de Moreira de Cónegos.
A turma de Ricardo Soares, que queria obter os três pontos depois de três jogos sem ganhar, passa a somar 38 pontos, juntou-se a Boavista e Santa Clara e está ‘estacionado’ de forma tranquila no oitavo lugar, a apenas dois pontos do Vitória SC, que entra em campo apenas hoje.
O intenso calor que se fez sentir já não deixou antever uma partida de granfe intensidade - levou, inclusive, a que se procedesse a uma paragem de um minuto, em cada uma das partes, para que os jogdaores das duas equipas se pudessem refrescar e hidratar.
Ainda assim, pese embora a alta tmperatura, esperava-se bem mais qualidade, essencialmente por parte do Moreirense, que tem jogadores e dinâmicas estabelecidas para isso mesmo. O próprio Ricardo Soares, no final da partida, reconheceu que a exibição da equipa foi bem abaixo das suas possibilidades, enaltecendo, contudo, o carácter e o brio dos atletas. Nisso, há que concordar, os cónegos foram exímios e controlaram todos os momentos do jogo. Não se abeiraram do golo em mais nenhum momento em todo o jogo para além do tal minuto 52 (ah!, aos 90+6, Filipe Soares, numa carambola, atirou ao poste), mas também mantiveram bem debaixo de olhos as parcas e muito limitadoras tentativas dos cada vez mais condenados avenses.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho