Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Depressão na gravidez prejudica o recém-nascido
Tributo a Bigotte Chorão marcou Encontros Camilianos

Depressão na gravidez prejudica o recém-nascido

Cidadãos já podem escolher um dos 38 projectos do Orçamento Participativo

Depressão na gravidez prejudica o recém-nascido

Ensino

2012-09-19 às 06h00

Redacção Redacção

Investigadoras da Universidade do Minho realizaram um estudo que revela que a depressão da mãe na gravidez é uma condição de risco para o desenvolvimento de importantes competências sócio-emocionais do bebé.

Um estudo da Escola de Psicologia da Universidade do Minho revela que a depressão da mãe na gravidez é uma condição de risco para o desenvolvimento de importantes competências sócio--emocionais do bebé.

“Os recém-nascidos de mães deprimidas durante gravidez revelam ausência de preferência visual e auditória pela face e voz da mãe, uma competência que geralmente se observa logo à nascença e cuja ausência compromete o estabelecimento da relação mãe-bebé”, explica a investigadora Bárbara Figueiredo, que avaliou o estado psicológico de 110 grávidas e o desenvolvimento dos respectivos filhos. O trabalho foi recentemente publicado na revista ‘Infant Behavior & Development’.

A investigação pretendeu averiguar as consequências da depressão materna na gravidez no comportamento e desenvolvimento do recém-nascido. “Os resultados mostram que os efeitos adversos no desenvolvimento do bebé não se devem ao facto de a mãe estar deprimida no parto, mas sim no final da gestação. Este é um dos primeiros estudos a nível internacional a demonstrar que a depressão na gravidez tem repercussões específicas no comportamento e desenvolvimento do recém-nascido”, contextualiza a psicóloga, que contou com a colaboração da investigadora Alexandra Pacheco, também do Centro de Investigação em Psicologia (CIPsi).

Este trabalho enquadra-se num conjunto de estudos conduzidos pela equipa da professora Bárbara Figueiredo, preocupada em explicar as repercussões do bem-estar psicológico dos pais no desenvolvimento do bebé. Saber como as mães e os pais se encontram emocionalmente durante a gravidez e após o parto pode contribuir para a adopção de medidas preventivas e remediativas de forma a evitar situações indesejadas, adianta a professora do Departamento de Psicologia Aplicada da Universidade do Minho.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.