Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
‘Cuidar Maior’ é projecto pioneiro para apoiar cuidador informal
SC Braga: “Os dois golos podem ter uma importância muito grande”

‘Cuidar Maior’ é projecto pioneiro para apoiar cuidador informal

Câmara de Arcos de Valdevez investe na promoção de Sistelo

‘Cuidar Maior’ é projecto pioneiro para apoiar cuidador informal

Vale do Ave

2020-01-29 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Requião é sede de projecto pioneiro no concelho. Espaço de Informação, Formação e Apoio ao Cuidador Informal do projecto ‘Cuidar Maior’ abriu ontem portas na sede da junta de freguesia.

Dar informação, disponibilizar formação e responder a todas as necessidades do cuidador informal são os objectivos do projecto ‘Cuidar Maior’, que já “é um bom exemplo” da estratégia municipal. Ontem, na abertura do Espaço de Informação, Formação e Apoio ao Cuidador Informal, localizado na sede de Junta de Freguesia de Requião, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão assumiu que o projecto “é uma semente que vai ficar no território com uma dimensão pioneira”. Acreditando no sucesso do ‘Cuidar Maior’, Paulo Cunha prometeu estar “de corpo inteiro” neste projecto, mas deixou o apelo à comunidade para encontrar soluções para lhe dar continuidade.
O projecto é desenvolvido pelo Centro Social Paroquial de Requião, Cooperativa de Ensino Didáxis, Junta de Freguesia de Requião e Conferência Vicentina de Requião. ‘Cuidar Maior’ pretende criar uma rede de parceiros institucionais que possam ser a resposta das famílias no descanso do cuidador.

Este projecto vai ao encontro do trabalho das comissões sociais inter-freguesias que são “uma força convocatória da comunidade para as pessoas se organizarem e mobilizarem com objectivos comunitários”, defendeu Paulo Cunha.
A ideia não é dispensar o dever e obrigação dos outros, mas o autarca desafiou as comunidades a fazerem mais. “Estamos a dar aqui um exemplo fantástico”, aplaudiu Paulo Cunha.

Antes de inaugurar o novo espaço, o presidente referiu que este projecto “servirá como retaguarda para a comunidade desprotegida, como é o caso do cuidador informal”. Perante a realidade, “esta retaguarda social e comunitária é fundamental para que o cuidador informal sinta e perceba que na comunidade onde vive há protecção, salvaguarda e segurança”.
Este projecto, continuou Paulo Cunha, é “do ponto de vista psicológico e anímico um suplemento energético de grande importância para quem está a cui- dar de outra pessoa e que, por vezes, é vencido pelo cansaço, obrigando à institucionalização de quem está a ser cuidado”.
Dado que o ‘Cuidar Maior’ tem financiamento apenas para este ano, o presidente do Centro Social e Paroquial de Requião, padre Domingos Machado, apelou à ajuda da autarquia para dar continuidade ao projecto em 2021.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.