Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Contestado parecer positivo da Câmara de Montalegre à mina de volfrâmio na Borralha
Confinamento preocupa comerciantes

Contestado parecer positivo da Câmara de Montalegre à mina de volfrâmio na Borralha

Vírus sem força para confinar a fé de quem procura conforto espiritual

Contestado parecer positivo da Câmara de Montalegre à mina de volfrâmio na Borralha

Cávado

2020-12-01 às 06h00

Redacção Redacção

A Câmara de Montalegre aprovou ontem um parecer positivo à reativação das minas de volfrâmio na Borralha, uma decisão contestada por ativistas que se opõem à exploração mineira naquele concelho do distrito de Vila Real.

À porta da casa do povo da aldeia de Travassos do Rio, onde decorreu a reunião descentralizada do executivo municipal, manifestaram-se esta tarde opositores às minas que empunharam cartazes onde se podia ler “Morte do Barroso” ou “Não à mina, sim à vida”.
A Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) solicitou um parecer sobre o pedido de contrato de exploração experimental da "Borralha", para exploração de depósitos minerais de volfrâmio, estanho e molibdénio, pela Minerália — Minas, Geotecnia e Construções, em área dos concelhos de Montalegre e Vieira do Minho.
As minas da Borralha, na freguesia de Salto (Montalegre), abriram em 1902, encerraram em 1986 e chegaram a ser um dos principais centros mineiros de exploração de volfrâmio em Portugal.
O presidente da Câmara de Montalegre, Orlando Alves (PS), disse à agência Lusa que foi aprovado o parecer positivo ao projeto que pretende “reativar a exploração de volfrâmio nas antigas minas da Borralha”, considerando que pode “ser importante para o território e indutor do desenvolvimento, criação de riqueza, de postos de trabalho e fixação de pessoas”.
“Essa é a coragem que se exige a quem tem que decidir. A política tem que ser feita com coragem e sem medo”, salientou o autarca.
O parecer foi aprovado com três votos a favor do PS, valendo o voto de qualidade do presidente, uma abstenção por parte de um vereador socialista e três votos contra de um vereador socialista e dois do PSD.
Orlando Alves explicou que o parecer emitido pelo município é uma “mera formalidade” e que “não é vinculativo”.
“A exploração de volfrâmio faz parte da nossa história. Faz parte da história e da riqueza do Barroso”, frisou.
O autarca ressalvou que a “concessão da exploração só será feita se a empresa apresentar o necessário Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e referiu que, atualmente, será feita em “moldes completamente distintos” dos de há 40 anos, com mais rigor ambiental e mais controlo por parte das entidades competentes.
Armando Pinto, em nome da Associação Montalegre Com Vida, apontou a “indignação e desilusão para com o executivo municipal” e afirmou que a luta “não é contra o lítio”, referindo-se à concessão anunciada para a freguesia de Morgade, “mas contra toda e qualquer exploração mineira no concelho”.
“O parecer positivo dado por este executivo à concessão mineira com a denominação Borralha define de forma inequívoca de que lado está o executivo municipal e não é, de forma alguma, do lado do povo”, salientou.
Este responsável acrescentou que, “tendo em conta que o concelho tem cerca de 25% da sua área ameaçada com pedidos de prospecção, este parecer é, sem dúvida alguma, o abrir de portas para todo o tipo de exploração mineira em Montalegre”.
“Já tivemos o exemplo das minas da Borralha para percebermos que este tipo de exploração não traz desenvolvimento, emprego nem fixa pessoas à terra. O passivo ambiental deixado nas minas da Borralha não nos ensinou nada?”, questionou.
Armando Pinto apontou preocupações com a exploração a céu aberto da mina e a proximidade com a barragem da Venda Nova. “Isto em troca de meia dúzia de tostões e 24 postos de trabalho”, frisou.
Contactado pela Lusa, o presidente da Junta de Salto, Alberto Fernandes, defendeu o projeto mineiro considerando que “pode ser importante” para a freguesia que teve sempre um “carinho especial pelas minas da Borralha”.
“Esperamos que a exploração seja retomada em outros moldes, com outros cuidados e mais amiga do ambiente. Nós vamos estar atentos”, frisou.
O autarca apontou “mais-valias” resultantes como a “criação de emprego e um maior movimento para os negócios locais”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho