Correio do Minho

Braga, terça-feira

Contas de 2017 atestam rigor da gestão do Executivo Municipal de Esposende
Escola EB 2,3 e Secundária de Arcos de Valdevez requalificada a bom ritmo

Contas de 2017 atestam rigor da gestão do Executivo Municipal de Esposende

Famalicão: FNA em Oliveira Santa Maria

Cávado

2018-04-18 às 06h00

Redacção

Executivo municipal aprovou relatório de gestão de 2017 que confirma o maior volume de investimento da última década no concelho.

Esposende continua no topo da tabela dos municípios com melhores resultados financeiros, como comprova a taxa de 100 por cento da execução da receita e de 85 por cento da execução da despesa.
Ano após ano, o município tem vindo a apresentar cada vez melhores resultados, o que, no actual contexto, é assinalável afirmou o presidente, Benjamim Pereira, que considera que tal é reflexo do rigor subjacente à elaboração dos documentos previsionais.
O presidente da Câmara Municipal de Esposende falava na reunião do executivo, na apresentação do Relatório de Gestão do Município e da proposta de Revisão Orçamental dos Documentos Previsionais para o ano em curso, designadamente o Orçamento, Grandes Opções do Plano e Mapa de Pessoal, que foram aprovados por unanimidade.
Os documentos aprovados mostram que o município de Esposende concretizou, em 2017, o maior investimento da última década.

A comprovar o nível de investimento do último ano está a taxa de execução de 90 por cento do Plano Plurianual de Investimentos, correspondente a um volume superior a 4,4 milhões de euros, sendo que, deste montante, somente cerca de 161 mil euros correspondem a fundos comunitários.
Benjamim Pereira nota que, em 2017, o município duplicou o apoio financeiro às Juntas de Freguesia e instituições sem fins lucrativos do concelho, passando de 633 mil euros para 1.144. 290 euros, o que só foi possível graças à saúde financeira da autarquia justifica.
O autarca assinalou, que a receita do IMI Imposto Municipal sobre Imóveis diminuiu aproximadamente 500 mil euros face a 2015, traduzindo uma redução de 3,4 por cento, o que significa que apesar dos excelentes resultados financeiros há uma evidente política de desagravamento fiscal argumenta.

Benjamim Pereira salientou que o valor da dívida é o mais baixo desde o ano 2000.
O Relatório de Gestão mostra que, em termos de capacidade de endividamento, o Município terminou o ano com uma margem positiva de 19 596 202 euros da dívida total, e voltou a transitar de ano sem dívidas de curto prazo, com um rácio de liquidez extremamente positivo.
Já no que respeita aos empréstimos contratados, registou-se uma redução de 16 por cento face a 2016, e de 50 por cento comparativamente com 2013, cifrando-se agora o montante global em 4 215 497,22 euros.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.