Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Colégio D. Diogo de Sousa sobe ao 2.º lugar do ranking nacional
Confinamento preocupa comerciantes

Colégio D. Diogo de Sousa sobe ao 2.º lugar do ranking nacional

Vizela testa 82 alunos após isolamento

Colégio D. Diogo de Sousa sobe ao 2.º lugar do ranking nacional

As Nossas Escolas

2020-06-28 às 06h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Colégio Dom Diogo subiu ao 2.º lugar no ranking dos exames nacionais relativo ao ensino secundário. A escola pública do distrito melhor posicionada é a Secundária Padre Benjamim Salgado, de Famalicão.

O Colégio D. Diogo de Sousa volta a ser o estabelecimento de ensino do distrito de Braga melhor classificado no ranking do ensino secundário elaborado a partir dos resultados dos exames nacionais de 2019. Esta escola privada destaca-se mesmo a nível nacional, ocupando o 2.º lugar de um ranking liderado por um colégio do Porto.
Segundo o ranking da Católica Porto Business School para o jornal ‘Público’, no distrito de Braga a escola pública melhor posicionada no ranking nacional é a Secundária Padre Benjamim Salgado, de Vila Nova de Fama- licão, em 47.º lugar.

Aliás, das dez escolas do distrito melhor posicionadas no ranking nacional, apenas três são públicas. Além da escola famalicense, destacam-se a Secundária Carlos Amarante, de Braga, em 60.º lugar, e a Escola Básica de Vale de Este, de Barcelos, em 79.º lugar.
Completam este top 10 distrital o Colégio João Paulo II, de Braga (em 33.º lugar a nível nacional); a Didáxis, de Famalicão (44.º); o Colégio do Ave, de Guimarães (52.º); o Colégio La Salle, de Barcelos (53.º); a Alfacoop - Externato Infante D. Henrique, de Braga (78.º); e a Didálvi - Cooperativa de Ensino de Alvito, de Barcelos (80.º).

Além dos dez estabelecimentos de ensino referidos, o distrito de Braga conseguiu ainda colocar mais quatro escolas no top 100 do ranking nacional relativo ao exames do ensino secundário. São elas a Secundária Camilo Castelo Branco, de Famalicão (81.º), a Secundária D. Sancho I, também de Famalicão (87.º), a Escola Básica e Secundária de Vila Cova, Barcelos (94.º) e a Escola Secundária de Barcelos (99.º).

Distrito com 10 escolas no top 100

O Dom Diogo de Sousa lidera também o ranking distrital elaborado a partir dos resultados dos exames nacionais do 9.º ano. Surge em 6.º lugar no ranking nacional.
Segue-se o Conservatório de Música de Barcelos, em 9.º lugar do ranking nacional, e o Colégio Nossa Senhora da Conceição, de Guimarães, em 17.º.
O Conservatório Calouste Gulbenkian, de Braga, é a escola pública do distrito melhor posicionada no ranking, surgindo em 32.º lugar.

Seguem-se mais quatro estabelecimentos de ensino privados: Colégio do Ave, de Guimarães (44.º); Colégio João Paulo II, de Braga (55.º); Cooperativa de Ensino Didálvi, de Barcelos (63.º); e Colégio da Associação C. R. de Fornelos, de Fafe (86.º).
O top 10 distrital fecha com duas escolas públicas: a Escola Secundária Carlos Amarante, de Braga (91.º) e a Escola Básica e Secundária de Vila Cova, Barcelos (93.º).

Colégio do Minho lidera no Alto Minho

No Alto Minho, o Colégio do Minho, de Viana do Castelo, também lidera o ranking distrital do secundário e do terceiro ciclo.
No caso do secundário, o Colégio do Minho surge em 86.º a nível nacional. A escola pública melhor posicionada é a Escola Secundária de Ponte de Lima, em 92.º do ranking nacional.
Já no ranking nacional dos exames do 9.º ano, o Colégio do Minho surge em 88.º. A escola pública melhor posicionada é a Escola Básica Frei Bartolomeu dos Mártires, de Viana do Castelo, em 95.º lugar.

Distrito no top3 - Biologia e Geologia
Quatro em cada dez escolas do ensino secundário tiveram média negativa no exame nacional de Biologia e Geologia em 2019, piorando os resultados em relação ao ano anterior, segundo dados do Ministério da Educação.
Porto, Coimbra e Braga são os três distritos com melhores desempenhos médios nesta prova.

Directores de escolas
“Rankings devem ser confinados ao seu lugar relativo”

A Associação Nacional de Directores defendeu que os ‘rankings’ devem ser “confinados ao seu lugar relativo”, sublinhando que a avaliação das escolas não deve ser feita apenas através das notas nos exames nacionais.
No dia em que voltam a ser divulgadas listas e análises sobre os resultados académicos dos alunos e em que as escolas voltam a ser ordenadas tendo em conta médias nos exames e taxas de sucesso académico, os directores escolares criticam que a avaliação das escolas se resuma a olhar para as notas no final do ano. “Cada vez mais devemos confinar os ‘rankings’ ao seu lugar relativo”, afirmou o presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Agrupadas à Lusa. Filinto Lima considera que existem outros instrumentos que conseguem avaliar melhor o trabalho realizado nas escolas, como é o caso dos ‘Percursos Directos de Sucesso’.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho