Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Civitas Braga quer criar a ‘Casa dos Direitos’ na cidade
Do desastre do VAR ao azar na lotaria

Civitas Braga quer criar a ‘Casa dos Direitos’ na cidade

Santa Cruz Café é o espaço de eleição para muitos bracarenses e turistas

Braga

2013-12-10 às 06h00

Marta Amaral Caldeira

É o projecto que a Civitas Braga - Associação para a Promoção dos Direitos dos Cidadãos quer criar em breve. A ‘Casa dos Direitos’ será um espaço especializado para promover os direitos humanos.

Há dez anos que a Civitas Braga - Associação para a Promoção e Defesa dos Direitos dos Cidadão luta contra a violação destes direitos consagrados pela Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948). Hoje o dia é de comemoração dos direitos humanos - um tema que Braga irá debater na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva e através de uma acção de sensibilização levada a cabo por uma turma da Escola Francisco Sanches.

Carla Cerqueira e Margarida Vilarinho, membros da Civitas Braga, anunciaram as iniciativas que vão ter lugar hoje na cidade para comemorar os direitos humanos e fazer um balanço da actividade desta associação que, depois de dez anos de actividades a lutar pelos direitos humanos consagrados e universais, tem agora um novo projecto para concretizar o mais brevemente possível: a ‘Casa dos Direitos’.

“Esta Casa dos Direitos será, em concreto, um espaço físico no centro da cidade onde possamos levar a cabo as as mais diversas actividades sempre centradas na questão dos direitos humanos e na sensibilização da comunidade, através de eventos artísticos, desde o teatro, música, literatura à poesia e outras vertentes”, avançou Carla Cerqueira.
Mas não só. O objectivo é que esta ‘Casa dos Direitos’ seja também uma casa em que qualquer pessoa possa entrar diariamente e ficar a conhecer melhor os direitos humanos consagrados e que devem ser respeitados por todos.

“Nós pretendemos que esta seja, acima de tudo, um espaço próprio para a promoção da diversidade”, referiu a responsável, indicando que ali poderá ser recuperado e desenvolvido, por exemplo, o projecto de alfabetização de mães ciganas - um projecto que a Civitas Braga levou a cabo durante um ano e que foi solicitado pela própria comunidade cigana.

Este projecto inclui-se no trabalho de luta contra a discriminação em termos étnicos, mas a Civitas Braga quer dar o seu alargamento a outras problemáticas existentes na sociedade, como a questão da violação dos direitos humanos sobre os mais idosos - como a situação de violência doméstica por parte de quem está responsabilizado de tratar deles ou a questão da pobreza extrema despoletada pela crise ou do seu total isolamento.

A Civitas Braga quer dar um “salto” na viragem destes dez anos de actividade e promete trabalhar ainda mais com as escolas e com a comunidade em geral.
Os alunos da Escola Dr. Francisco Sanches que hoje vão participar na acção de rua vão abordar as pessoas que encontrarem pelo centro da cidade, sensibilizando-as para a questão dos direitos humanos, entregando-lhes um marcador de livro onde estão transcritos alguns dos artigos que constam da Declaração Universal dos Direitos Humanos, como o Direito ao Trabalho, Direito a uma Remuneração Justa, Direito à Educação, etc, decretados pelas Nações Unidas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.