Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
CIM Cávado apresenta contributos para PRR
Divulgação do VIII Torneio Internacional Cidade de Famalicão

CIM Cávado apresenta contributos para PRR

Universidade do Minho abre as portas em formato online

CIM Cávado apresenta contributos para PRR

Braga

2021-03-03 às 06h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Conselho Minicipal da CIM Cávado divulgou documento onde expõe os seus contributos e reivindicações no âmbito do processo de consultada pública relativo ao Plano de Recuperação e Resiliência.

O Conselho Intermunicipal (CI) da Comunidade Intermunicipal do Cávado (CIM Cávado) já apresentou os seus contributos no âmbito do processo de consulta pública relativa ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Num documento de dez páginas, o CI expõe as reivindicações dos municípios que integram a CIM Cávado e critica a “excessiva concentração de recursos” nas Áreas Metropolitanas e sectores da Administração Central.
O documento começa por criticar “a não auscultação, ab initio, de diversos actores, sejam eles de índole privada ou pública, de cariz infra ou supramunicipal”, o que “pode ter desencadeado a existência de algumas omissões, não apenas na elaboração do documento, mas também para a futura execução do PRR”, esperando a CIM Cávado que o processo de consulta pública “possa colmatar ou ultrapassar” essa situação.
Desde logo, a CIM Cávado mostra-se alinhada com a defesa da necessidade de alocar perto de 47% da totalidade do montante destinado a Portugal (cerca de 7,8 mil milhões de euros) na Região Norte e o envolvimento das entidades intermunicipais e municípios, em articulação com a CCDR-N.
“Seria um sinal importante para o território a fixação da Estrutura de Missão responsável pela execução nacional do PRR”, aponta ainda a CIM Cávado.
Na linha do que tem sido veiculado pelos autarcas do Cávado, agora, a uma só voz, através da CIM, é criticado o facto de o PRR estar marcado pela “excessiva concentração de recursos” nas Áreas Metropolitanas e em sectores da Administração Central e pela “aparente descoordenação entre o que são os diversos instrumentos financeiros existentes, ou em fase avançada de implementação (PRR; Portugal 2020/Overbooking; Portugal 2030) e a falta de previsão de ferramentas de investimento público directo por parte da Administração Central”, que “desviam o foco principal deste plano que deveria ser um olhar mais próximo das dinâmicas dos territórios e de que forma é que elas podem alavancar os melhores resultados a nível nacional”.
A CIM Cávado exortou os municípios que a integram a apresentarem os contributos que considerassem pertinentes do âmbito do actual processo de consulta pública que, juntamente com a análise interna desenvolvida pelo CI do Cávado, de forma resumida, são elencados no documento agora divulgado.
As sugestões/reivindicações da CIM Cávado abrangem as componentes das respostas sociais, eliminação de bolsas de pobreza em áreas metropolitanas, qualificação das competências, infra-estruturas, mobilidade sustentável, eficiência energética em edifícios, escola digital, qualidade e sustentabilidade das finanças públicas, justiça económica e Ambiente de Negócios, e Administração Pública (Digitalização, Interoperabilidade e Cibersegurança).

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho