Correio do Minho

Braga,

Cientista da NASA visita a UMinho
Cooperação da GNR com Guardia Civil recupera camião furtado

Cientista da NASA visita a UMinho

Um dia histórico na cooperação transfronteiriça

Braga

2017-04-18 às 21h17

Redacção

A Escola de Ciências da Universidade do Minho recebe esta quinta-feira a visita de Jared Espley, o coordenador científico do programa da NASA que está a levar a primeira sonda espacial abaixo das nuvens de Júpiter. O cientista norte-americano profere a palestra “Exploring Jupiter and its moons” pelas 15h30, no anfiteatro B1 do campus de Gualtar, em Braga.

A Escola de Ciências da Universidade do Minho recebe esta quinta-feira a visita de Jared Espley, o coordenador científico do programa da NASA que está a levar a primeira sonda espacial abaixo das nuvens de Júpiter. O cientista norte-americano profere a palestra “Exploring Jupiter and its moons” pelas 15h30, no anfiteatro B1 do campus de Gualtar, em Braga. A iniciativa tem apoio da Embaixada dos EUA em Portugal.
 
Doutorado em Física pela Universidade Rice em Houston (EUA), Jared Espley trabalha no Laboratório de Magnetosferas Planetárias do Centro Goddard da NASA e na sede principal desta agência aeroespacial. O orador vai explicar como a sonda Juno orbitará Júpiter até início de 2018, contribuindo para explicar melhor a evolução deste gigante gasoso e, por extensão, o lugar da humanidade no universo. Prevê-se avaliar a atmosfera jupiteriana, por exemplo, em termos de composição, água, temperatura, movimento, bem como o magnetismo polar e a gravidade.
 
Júpiter situa-se a 628 milhões de quilómetros da Terra, sendo o maior planeta do sistema solar. É reconhecido pelas impressionantes tempestades, pelos cintos de nuvens, pelo campo magnético poderoso e pelas auroras incandescentes aparentemente ligadas às suas luas. Estes mistérios estão a ser explorados durante 20 meses pela Juno, que tem apenas 3.6 quilos, 3.5 metros de diâmetro e move-se a energia solar.
 
Após este período, Juno mergulhará na atmosfera do planeta até ser destruída pela pressão dos gases. Esta sonda espacial deve o nome à deusa romana que era esposa de Júpiter. Futuras missões da Agência Espacial Europeia (em 2022) e da NASA (em 2025) ponderam explorar as luas adjacentes, como Europa, com vulcanismo dinâmico, oceanos subterrâneos e até locais possivelmente adequados para a vida.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.