Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Cidade Têxtil acrescenta fios de inovação à força do novelo
Património musical da Misericórdia merece ser estudado e preservado

Cidade Têxtil acrescenta fios de inovação à força do novelo

Um Conto Policial junta mortes e suspense

Vale do Ave

2018-03-02 às 06h00

José Paulo Silva

Vila nova de Famalicão assume Cidade Têxtil como marca. A formalização da estratégia de desenvolvimento do coração da indústria têxtil foi feita na segunda conferência internacional do têxtil e vestuário.

Casacos com revestimento de cortiça e um sistema electrónico integrado que comunica com dispositivos móveis, tecidos produzidos com materiais 100% reciclados, malhas que barram radiações electromagnéticas, fechos invisíveis e com funcionalidades de limpeza rápida.
O sector têxtil e do vestuário (STV) está a mudar, incorpora cada vez mais conhecimento e tecnologia de ponta. Duas décadas após a grave crise que levou ao fecho de muitas empresas e ao fim de inúmeros postos de trabalho, os industriais do Vale do Ave reinventam o sector, aumentam o valor acrescentado dos produtos básicos de vestuário e têxteis lar e reforçam cada vez mais as competências e a produção dos chamados têxteis técnicos.

Aproveitando o crescimento do STV, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalição assume a marca Famalicão Cidade Têxtil com o propósito de promover a excelência, a capacidade inovadora e a responsabilidade social das empresas e dos centros de competência, procurando, ao mesmo tempo, ser reconhecida, nacional e internacionalmente, como uma cidade de importância capital.
A nova estratégia de marketing territorial foi apresentada pelo Município famalicense, anteontem, em Matosinhos, no primeiro dia de trabalhos do iTechStyle Summit, evento que o Citeve - Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal organiza em parceria com a Associação Selectiva Moda e a coordenação científica da Universidade do Minho.

No encontro que junta empresários e representantes de universidades e centros de investigação, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, reconheceu que é ainda necessário alterar a imagem negativa que indústria têxtil e do vestuário apresenta às gerações mais novas, erradamente um sector de baixos salários e poucas qualificações.
Fruto da conjuntura desfavorável que afectou o STV décadas atrás, até a própria expressão Vale do Ave tem uma conotação negativa, sustenta o autarca, apostado em envolver a comunidade famalicense na afirmação da marca Cidade Têxtil como consagração de uma dinâmica empresarial em que o STV se emancipou, acrescentando valor através do cruzamento com sectores como a construção civil, a indústria automóvel, a saúde, o desporto ou mesmo a indústria da defesa.

O têxtil não deixou de ser o têxtil dos básicos de vestuário e têxteis lar, mas passou a ter cada vez mais tecnologia incorporada, avisa Paulo Cunha, sendo que faz parte da estratégia da Cidade Têxtil influenciar pais e educadores para a nova realidade do STV.
O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, presente no primeiro dia do iTechStyle Summit, confia que o sector vai ter muitos mais licenciados no futuro.

Um retrato recente do sector revela que os têxteis técnicos produzidos nas empresas de Vila Nova de Famalicão valem 111 milhões de euros de exportações.
Entre 2013 e 2017, as exportações dos materiais ou produtos têxteis que se distinguem por alta tecnicidade e diferenciação cresceram 11,9%, representando actualmente 23,3% do total das vendas do STV para os mercados externos.
Com a dinâmica em torno da marca Famalicão Cidade Têxtil, o Município local pretende criar condições para a atracção e instalação de novas empresas, continuando a alargar a actual capacidade exportadora do sector ( ver caixa) e apoiando a integração de quadros superiores nas empresas.

A estratégia global da Cidade Têxtil assenta em três eixos fundamentais: pessoas, empresas e cidade, sendo outro dos objectivos centrais conferir dimensão internacional à cidade através da marca, sendo certo que Vila Nova de Famalicão já se apresenta como epicentro de uma região que acolhe uma fileira completa, estruturada, flexível e dinâmica, ou seja, o maior cluster têxtil da Europa.
Uma história de quase 150 anos de tradição industrial têxtil, preservada no Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave, é apresentada como argumento para esta formalização do título de Cidade Têxtil, relevando também os autarcas famalicenses, no enquadramento desta estratégia de promoção, a existência no território de centros de conhecimento como o Citeve e o CeNTI - Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes ou de outra entidades reconhecidas no STV como a Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal e o Cluster Têxtil: Tecnologia e Moda.

Famalicão Cidade Têxtil, projecto no qual o presidente da Câmara Municipal pretende ver toda a comunidade local envolvida, tem como símbolo um novelo de fio tradicional que evolui todos dos dias com os inputs tecnológicos e de inovação.
É nesse sentido que o Município se apresenta como principal patrocinador do iTechStyle Summit 2018, segunda edição de uma plataforma de debate e reflexão sobre o conhecimento científico e tecnológico actual envolvendo empresas, fornecedores de tecnologia, investigadores, cientistas e outros agentes ligados ao STV, nacionais e estrangeiros.
Indústria 4.0, digitalização e desmaterialização de produtos e processos, novos materiais e utilização avançada de fibras naturais, novas estruturas técnicas, têxteis electrónicos e inteligentes, sustentabilidade e economia circular foram matérias escolhidas para a reflexão entre seis centenas de participantes nesta cimeira internacional do têxtil e do vestuário, que hoje encerra no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões.

Têxtil e vestuário terá novo recorde de exportações em 2018

Depois do recorde de exportações em 2017, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, confia que em 2018 o sector do têxtil e vestuário continuará a crescer em vendas e na criação de mais postos de trabalho.
A convicção do governante foi manifestada, anteontem à noite, na cerimónia de entrega dos iTechStyle Awards, durante a qual deu parabéns aos empresários que souberam fazer da palavra crise uma coisa do passado e alcançaram o valor mais alto de sempre de exportações. Para 2018 o que todos esperamos da indústria têxtil e vestuário é um novo recorde de exportações, declarou o ministro, elogiando este sector como um bom exemplo de como a inovação é o caminho.

A indústria têxtil e vestuário com uma força muito grande sobre reerguer-se e reinventar-se, sublinhou Manuel Caldeira Cabral. Vamos às maiores feiras internacionais do sector e as nossas indústrias são convidadas a estar nos pavilhões premium e vemos também que neles o nosso país é o mais representado, apontou o titular da pasta da Economia.
O ministro destacou Vila Nova de Famalicão como um concelho que continua a reindustrializar-se, que sempre acreditou na indústria, reconhecendo o papel muito importante dos municípios que hoje trabalham ao lado dos empresários para conseguir soluções e ajudar as empresas a serem mais fortes, a investirem mais, e a criarem mais emprego.
O Governo marca presença no último dia de trabalhos do iTechStyle Summit. O ministro do Ensino Superior e a Investigação, Manuel Heitor, que esteve inicialmente previsto para a sessão de abertura do encontro, intervém no arranque dos trabalhos desta sexta-feira, enquanto a secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann, fala no encerramento.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.