Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Castro de São Lourenço vai ter bar e envolvente qualificada
Uma enchente na Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto

Castro de São Lourenço vai ter bar e envolvente qualificada

Jovem de 17 anos morre atropelado na A3

Castro de São Lourenço vai ter bar e envolvente qualificada

Cávado

2011-08-21 às 06h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

Após o Centro Interpretativo, que foi inaugurado sexta-feira, o Castro de São Lourenço, em Vila Chã, vai ter a envolvente qualificada e um bar.

A Câmara Municipal de Esposende, tem vários projectos para prosseguir a qualificação daquele espaço, afirmou o o presidente da autarquia, João Cepa, na inauguração do Centro Interpretativo do Castro de S. Lourenço.

“Vou tentar nestes dois anos concretizar um projecto que foi, na fase de estudo prévio, desenvolvido pela Junta de freguesia de Vila Chã, que vem compensar as valências da ideia inicial para centro interpretativo”, adiantou o edil ao Correio do Minho.

“O Centro Interpretativo do Castro de S. Lourenço, inicialmente, estava previsto como um espaço expositivo, incluindo uma área de restauração, porque é uma zona muito procurada para piqueniques e até há aqui estruturas pré-fabricadas, dinamizadas pelas instituições locais”, explicou João Cepa.

“Com a obra já em andamento, quisemos ser mais ambiciosos e eu desafiei a Junta de freguesia a aceitar que fosse redefinido o programa do centro interpretativo e que a parte da restauração fosse substituída pelo serviço de arqueologia da Câmara”, acrescentou o autarca.

Serviços de arqueologia no castro

O Centro Interpretativo do Castro de S. Lourenço, vai acolher os serviços municipais de arqueologia. Na inauguração, o presidente do município, João Cepa, frisou que a valorização deste espaço é uma aspiração com 25 anos e considerou o centro inaugurado “uma mais-valia” para a prossecução desse propósito. O autarca explicou que o projecto evoluiu nesse sentido, remetendo para uma fase posterior a componente de restauração,projectada para o mesmo edifício, que custou cerca de 700 mil euros, verba que a autarquia suportou “porque não há segredos: há é definição de prioridades”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.