Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Campanha procura desmistificar estereótipos
Castelo de Lanhoso apresenta os rostos de D. Teresa

Campanha procura desmistificar estereótipos

Câmara da Póvoa de Lanhoso institui Provedor do Idoso

Braga

2017-09-12 às 11h23

Redacção

Entre Novembro de 2017 e Abril passado, a Juventude da Cruz Vermelha de Braga desafiou, numa campanha online, dezenas de cidadãos a partilharem fotografias acompanhadas de uma mensagem com o objectivo de descontruírem um determinado estereótipo que lhe é habitualmente associado. ‘#EQuê?’ foi o tema dado a esta iniciativa que contou com a adesão de centenas de participantes e cujos resultado incorporam agora uma mostra fotográfica que está patente na Biblioteca Lúcia Craveiro da Silva, até ao final do mês.

Entre Novembro de 2017 e Abril passado, a Juventude da Cruz Vermelha de Braga desafiou, numa campanha online, dezenas de cidadãos a partilharem fotografias acompanhadas de uma mensagem com o objectivo de descontruírem um determinado estereótipo que lhe é habitualmente associado. ‘#EQuê?’ foi o tema dado a esta iniciativa que contou com a adesão de centenas de participantes e cujos resultado incorporam agora uma mostra fotográfica que está patente na Biblioteca Lúcia Craveiro da Silva, até ao final do mês.

“Pretendíamos que esta campanha servisse como uma pequena acção de sensibilização online, sem grandes grandes custos económicos, onde se procurou desmistificar estereótipos através de exemplos reais”, explica Luís Saldanha, acrescentando procurou também envolver cidadãos que, de alguma forma, já foram estereotipados. “Desafiámo-los a escrever uma mensagem num cartão sobre quando e de forma foram estereotipados e tirarem uma foto”.

A campanha conta com algumas figuras bem conhecidas, como é o caso do presidente da câmara de Braga, Ricardo Rio; do ex-presidente da Associação Académica da Universidade do Minho, Carlos Videira ou o presidente da delegação da Cruz Vermelha de Braga, Armando Osório.
O presidente da delegação da Cruz Vermelha afirmou que “se não acabarmos com estes esteriótipos não há direitos humanos que resistam”, lembrando que as minorias têm que se adaptarem às maiorias, mas estas também têm de ser formadas para respeitarem as minorias.
Presente na inauguração, o presidente da câmara diz que esta acção além de inovadora, segue as linhas do executivo.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.