Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Caminha: Hortas urbanas aliviam orçamento familiar e lavam a mente dos novos agricultores
Uma enchente na Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto

Caminha: Hortas urbanas aliviam orçamento familiar e lavam a mente dos novos agricultores

Jazz ao Largo regressa a Barcelos entre 11 e 15 de setembro

Alto Minho

2011-06-10 às 12h53

Lusa Lusa

As hortas urbanas de Vila Praia de Âncora, Caminha, foram criadas há poucos meses mas já estão a dar frutos, poupando uns euros ao orçamento familiar e lavando a mente a quem as trabalha.

As hortas urbanas de Vila Praia de Âncora, Caminha, foram criadas há poucos meses mas já estão a dar frutos, poupando uns euros ao orçamento familiar e lavando a mente a quem as trabalha.

Batatas, courgette, pepinos, ervilhas, couves e feijão verde são alguns dos primeiros produtos colhidos pelos novos agricultores de Vila Praia de Âncora, “resgatados” de profissões tão diversas como professores, arquitetos, engenheiros ou auxiliares de educação.

“Isto é um espaço de terapia, seja ocupacional, psicológica ou anti-stress. Quantas vezes está a chover ou trovejar e nós descalçamo-nos e andamos na terra a sujar mesmo os pés. Eu acho que, neste momento, o que faz falta à humanidade é o regresso à terra, porque a terra limpa-nos a mente”, refere, à Lusa, Alfredo Costa.

A opinião deste antigo professor primário, atualmente na reforma, é partilhada por Lurdes Dias, 42 anos, auxiliar numa escola, que garante que, apesar de ser fumadora, não puxa por um único cigarro enquanto está nas lides da horta.

“Posso estar aqui o dia todo que não me lembro do cigarro. O cigarro é uma maneira de aliviar o stress. Aqui [na horta], preenchemos esse vazio”, afirma.

Para Lurdes Dias, as vantagens da horta estendem-se também ao nível físico.

“Sinto-me muito melhor, não tenho necessidade de ir ao ginásio nem de caminhar, porque aqui faço todos os exercícios”, assegura esta nova agricultora.

A isto, junta-se ainda as poupanças que a horta proporciona, o que para Lurdes Dias, mãe de quatro filhos e com o marido desempregado, significa ouro sobre azul.

Diz que já colheu 30 quilos de batatas, pelo que, durante uns meses, este será um produto que não constará da sua lista de compras.

Lurdes e Alfredo também não escondem que as refeições têm um “sabor especial” quando integram produtos das suas hortas, que veem um pouco “como filhos”.

As hortas urbanas de Vila Praia de Âncora integram 20 lotes, cada qual com 66 metros quadrados, tendo todos sido ocupados praticamente logo a seguir ao anúncio da sua criação.

Com muito poucos ou quase nenhuns conhecimentos da matéria, os novos agricultores vão-se ajudando mutuamente, dando dicas uns aos outros e pesquisando na Internet as melhores soluções para obterem o melhor resultado.

Situadas na Quinta da Barrosa, as hortas foram criadas pela Câmara de Caminha, para, como sublinha o vereador Flamiano Martins, proporcionarem às famílias um complemento para o seu orçamento e “desanuviar a depressão” que a crise está a provocar.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.