Correio do Minho

Braga,

- +
Caminha aprova orçamento de 23 milhões de euros
Montalegre instala 23 novos gabinetes de saúde oral

Caminha aprova orçamento de 23 milhões de euros

Arrancaram as obras na estrada que liga Antas a Forjães

Caminha aprova orçamento de 23 milhões de euros

Alto Minho

2022-12-01 às 18h14

Redacção Redacção

Presidente classifica documento previsional como “realista, objetivo e concreto”

Citação

O Executivo reuniu ontem, dia 30 de novembro, em sessão extraordinária, tendo aprovado, por maioria, as Grandes Opções do Plano (GOP) e o Orçamento para o ano 2023, documentos que agora serão submetidos à Assembleia Municipal nos termos da lei. O Orçamento, superior aos 23 milhões de euros, foi classificado, na ocasião, pelo Presidente da Câmara, Rui Lages, como “realista, objetivo e concreto”.
O orçamento apresenta, tanto na receita como na despesa, o montante de 23.223.096,82 € (vinte e três milhões, duzentos e vinte e três mil, noventa e seis euros e oitenta e dois cêntimos), atingindo a parcela das atividades mais relevantes do Município, devidamente discriminados no mapa do plano de atividades municipais, o montante de 2.438.360,49 € (dois milhões, quatrocentos e trinta e oito mil, trezentos e sessenta euros e quarenta e nove cêntimos) e a parcela dos investimentos o valor de 6.084.429,97 € (seis milhões, oitenta e quatro mil, quatrocentos e vinte e nove euros e noventa e sete cêntimos), cujos projetos se encontram devidamente identificados no Plano Plurianual de Investimentos.
O Orçamento mantém os valores dos impostos praticamente ao nível do ano anterior, mantém também a discriminação positiva no IMI, considerando o IMI familiar, com deduções fixas de 20, 40 e 70 euros, consoante o agregado familiar tenha a seu cargo um, dois ou três dependentes, respetivamente.
O Orçamento aumenta as transferências para as freguesias em 20 por cento. “Este é um orçamento responsável”, considerou Rui Lages, e que não cede à tentação do populismo, “por muito que seja apelativo, por muito que seja politicamente correto, porque a realidade supere a ficção”, concluiu o Presidente da Câmara.
No preâmbulo do documento lê-se: “procuramos que este importante documento de gestão orçamental possa contribuir para posicionar esta autarquia numa situação de saúde financeira que nos deixe a coberto de eventuais acontecimentos inesperados férteis na época em que vivemos”. Apesar disso, salvaguarda-se, “reconhecendo a situação problemática que vive hoje a juventude, cujo futuro se torna cada vez mais incerto, demos particular atenção ao princípio da equidade intergeracional, pelo que subordinamos este documento previsional ao princípio da equidade na distribuição de benefícios e custos entre gerações de modo a não onerar excessivamente as gerações futuras, salvaguardando as suas legítimas expetativas através de uma distribuição equilibrada dos recursos municipais”.
Concluiu-se, referindo: “Apenas faz sentido estarmos empenhados nestes propósitos se projetarmos valores verosímeis nos orçamentos do Município, o que procuramos respeitar com todo o rigor possível”.

Deixa o teu comentário

Banner publicidade

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho