Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Camilo recordado no Bom Jesus
Concluídos trabalhos de reabilitação do edifício da Adega Cultural de Vila Verde

Camilo recordado no Bom Jesus

GD Adaúfe revitalizado com olhos postos no futuro

Camilo recordado no Bom Jesus

Braga

2011-06-02 às 06h00

Maria Betânia Ribeiro Maria Betânia Ribeiro

O Centro de Exposições Cónego Cândido Pedrosa inaugurou, ontem, a exposição ‘As Mulheres de Camilo’, sob organização da Confraria do Bom Jesus do Monte, em homenagem ao autor de ‘Memórias do Cárcere’.

Citação

No âmbito das comemorações dos 200 anos do lançamento da última pedra do Templo do Bom Jesus do Monte, a Confraria do Bom Jesus do Monte abriu ao público a exposição ‘Mulheres de Camilo’, dedicada a Camilo Castelo Branco, escritor português consagrado do século XIX. A inauguração assinalou também o dia da morte do “maior novelista e romantista português do século XIX”, como refere José Carlos Peixoto, mesário da Confraria do Bom Jesus do Monte.

Albergada no Centro de Exposições Cónego Cândido Pedrosa, situado no andar superior da Casa das Estampas, a exposição reflecte também a “ligação forte que Camilo tinha com a estância do Bom Jesus”, refere João Varanda, responsável da Confraria do Bom Jesus do Monte, recordando a narrativa camiliana intitulada ‘No Bom Jesus do Monte’.

O responsável apelou a Armindo Costa, presidente da Câmara Municipal de Famalicão, a trazer a rota camiliana ao Bom Jesus. João Varanda anunciou ainda a organização do ‘Primeiro Congresso Luso-brasileiro do Barroco’ em Outubro, bem como a assinatura de um protocolo com a Fundação Dr. António Cupertino de Miranda a 24 de Julho para a realização do ‘Seminário sobre o Barroco’.

Recordando os 121 anos do falecimento de Camilo Castelo Branco, Aníbal Pinto de Castro, director da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco em S. Miguel de Seide, salienta que terá sido no Bom Jesus do Monte que Ana Plácido “cedeu aos encantos de Camilo”.

Marcando presença em 30 cidades, a exposição itinerante ‘Mulheres de Camilo’ nasceu em 1995, estreando-se nas instalações da Fundação Dr. António Cupertino de Miranda. Armindo Costa, presidente da Câmara Municipal de Famalicão, realçou a importância da exposição para quem “lê, estuda, admira Camilo”, concorda ou discorda da sua vida.

Victor Sousa, vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, frisou o estreitamento das relações dentro do ‘Quadrilátero Urbano’, programa estratégico de cooperação que esteve na génese da organização da iniciativa, procurando “enaltecer os valores da região” através de uma exposição que procura encantar o público.

D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, referiu que Camilo encontrou o “silêncio e a oportunidade de reflectir” na estância do Bom Jesus, constituindo um exemplo para a “sociedade apressada e débil” que esquece a importância do diálogo com os outros e em especial com as crianças, no Dia Mundial da Criança.
A exposição fica patente no Bom Jesus até Outubro.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho