Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Braga na linha da frente da sustentabilidade empresarial
Escola Básica do Mosteiro e Cávado evacuada devido a bomba de Carnaval

Braga na linha da frente da sustentabilidade empresarial

Santa Cruz Café oferece modernidade e aposta em produtos de qualidade

Braga

2016-12-06 às 20h01

Redacção

“Se cada um conseguir transformar o seu mundo, o mundo à nossa volta fica melhor.” A ideia foi proferida por Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante uma sessão subordinada ao tema ´Competitividade no Sector Exportador: A Opção pela Sustentabilidade´, inserido na 11ª Semana da Responsabilidade Social. O evento, que decorreu no Museu D. Diogo de Sousa, foi organizado pela Associação Nacional de Ética Empresarial e pela UN Global Compact Network Portugal.

“Se cada um conseguir transformar o seu mundo, o mundo à nossa volta fica melhor.” A ideia foi proferida por Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante uma sessão subordinada ao tema ´Competitividade no Sector Exportador: A Opção pela Sustentabilidade´, inserido na 11ª Semana da Responsabilidade Social. O evento, que decorreu no Museu D. Diogo de Sousa, foi organizado pela Associação Nacional de Ética Empresarial e pela UN Global Compact Network Portugal.

Na ocasião, promoveu-se uma reflexão sobre os desafios que o tecido empresarial enfrenta face aos novos desafios e referenciais internacionais. ”As empresas e instituições de Braga têm sido um excelente exemplo na promoção de valores e dinâmicas relacionadas com a competitividade positiva, sustentabilidade ambiental, promoção da justiça social ou capacitação dos recursos em prol do bem-estar das populações”, referiu.

Para o Edil, a temática do desenvolvimento sustentável tem sido ´muito acarinhada´ ‘pelo actual Executivo Municipal, que tem procurado disseminar e estimular as boas práticas no dia-a-dia da comunidade empresarial. “Braga tem um potencial acrescido nessa matéria, já que uma das dimensões que terá relevância essencial no futuro é a componente da inovação tecnológica. As novas abordagens baseadas nesse conhecimento serão fonte de transformação da realidade local e mundial”, referiu.

Sublinhando que as Cidades são o palco natural para a concretização destas transformações e que as inúmeras tendências de organização das Cidades apontam para o aumento da economia da partilha, o Autarca adiantou que são vários os desafios que se colocam. “Estes fenómenos de transformação radical da realidade de posse implicam desafios ao nível da adaptação cultural e social dos cidadãos mas também à subsistência das empresas. O tecido económico terá de ser capaz de se adaptar e antecipar essas tendências, encontrando respostas adequadas que sejam percebidas como uma mais-valia para todos nós”, disse. 

*** Nota da C.M. de Braga ***

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.