Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Bracarenses combatem plantas invasoras no Monte Picoto
Surto em lar afecta infecta 53 utentes e 11 funcionário

Bracarenses combatem plantas invasoras no Monte Picoto

‘Memórias do Tempo’ no renovado Museu do Traje

Bracarenses combatem plantas  invasoras no Monte Picoto

Braga

2020-10-18 às 07h00

Isabel Vilhena Isabel Vilhena

Um grupo de voluntários respondeu ontem ao repto de combater as plantas invasoras no Monte de Picoto. O desafio é continuar com a missão de contribuir para a biodiversidade desta área florestal.

Um grupo de cidadãos arregaçou ontem as mangas para ajudar a combater a ‘praga’ das plantas invasoras que ameaçam a biodiversidade no Monte Picoto.
O desafio de controlo de plantas invasoras foi lançado pelo município e contou com a presença do vereador do Ambiente, Altino Bessa e de uma equipa de sapadores.
Altino Bessa deu nota que “desde 2012 que andamos a tentar combater as invasoras. Muita gente já participou em várias iniciativas ao longo destes anos, mas este é um processo que nunca acaba”, dando nota de que “já foi muito pior. Uma grande parte do Monte Picoto era eucaliptos, mimosas e austrálias e hoje são em número mais reduzido”.
O vereador do Ambiente salientou o papel da equipa de sapadores que “vai ajudando, dento do possível na manutenção do Picoto”, lembrando o terreno acidentado e a extensão do Monte Picoto de cerca de 24 hectares, que “exige uma manutenção constante que nem sempre existe disponibilidade de meios para fazer este trabalho”.
Altino Bessa lançou, por isso, o desafio a todos os bracarenses para quando forem ao Picoto observem as plantas invasoras com olhar de ‘cientista’. “O desafio é quando vierem passear ao Picoto, ajudem a combater estas espécies invasoras, nomeadamente as austrálias, arrancando estas plantas, contribuindo para a biodiversidade do Picoto”.
O vereador do Ambiente aponta algumas acções que têm vindo a ser desenvolvidas nesta área florestal. “Ganhamos um concurso ao Fundo Ambiental que visa a adaptação às alterações climáticas, através da plantação de diferentes espécies de árvores”, realçando que o objectivo é “tornar no maior parque urbano de floresta autóctone”.
Passo a passo, o vereador lembra que “este é um processo longo. Não se faz um parque com floresta de um dia para o outro e quando o tiver o impacto desejado, será para as futuras gerações”. Nesta caminhada, o vereador anunciou a criação de “um lago com alguma dimensão, uma espécie de um charco grande que permita criar mais biodiversidade e a fixação de outras espécies à volta do lago. A ideia é que haja maior diversidade em termos de flora, mas também em termos de fauna”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho