Correio do Minho

Braga,

BINNAR: o festival “fora da caixa” está de regresso a Famalicão
Turismo é o grande motor da reabilitação urbana

BINNAR: o festival “fora da caixa” está de regresso a Famalicão

Viana é cidade cosmopolita que acolhe migrantes “com responsabilidade”

Vale do Ave

2018-11-07 às 22h22

Redacção

Festival decorre de 12 a 30 de novembro e vai percorrer vários espaços do concelho famalicense

Disruptivo e fora da caixa. É assim o BINNAR, o festival de artes que regressa a Vila Nova de Famalicão já no próximo dia 12, segunda-feira, e que até ao final do mês de novembro vai levar música, teatro, cinema, entre outras artes, a vários espaços culturais do concelho famalicense.
A iniciativa, promovida pela plataforma cultural com o mesmo nome e com o apoio da Câmara Municipal de Famalicão, volta a ter como base nesta sua terceira edição a criação e a liberdade artística.
Exemplo disso mesmo é o que vai acontecer no dia 24 de novembro, a partir das 21h30, no Museu da Indústria Têxtil. O universo do têxtil vai servir de inspiração para o trabalho de quase uma dezena de artistas que vão expor neste espaço, mas também para um concerto exclusivo do compositor português Eduardo Patriarca, inspirado nos sons das máquinas presentes no museu.
Para o dia 21, quarta-feira, está também agendado outro dos pontos altos do festival. Falamos da performance teatral “(Des)Alinhar”, um trabalho em residência dos alunos da Academia Contemporânea do Espectáculo com o ator/encenador Jorge Paxeco que terá como cenário um palco pouco habitual – a feira semanal de Famalicão. “Na Feira de Famalicão, onde se trocam produtos, dinheiro, bens alimentares, vamos trocar outros bens, sem peso ou forma, os risos, os afectos, as emoções, os tempos, os olhares…”, explica a organização.
Do vasto e diverso programa do BINNAR, destaque ainda para uma exposição coletiva de fotografia analógica, patente de 12 a 30, no Museu Soledade Malvar; para uma instalação de videoarte, no dia 17, no Mosteiro de Arnoso Santa Eulália; para os concertos do grupo 10.000 Russos, no dia 18, às 18h30, no Mosteiro de Arnoso Santa Eulália, dos espanhois Hyggelig, no dia 23, às 21h30, na Fundação Castro Alves e de Alex Hedley, no espaço “A Casa ao Lado”, e Gargoola, no Espaço Cultural Cru, no dia 30 de novembro.
Refira-se que a entrada em todas as iniciativas e eventos realizados no âmbito do festival é gratuita.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.