Correio do Minho

Braga, terça-feira

Becoming a Part of Europe: Braga recebe primeira reunião internacional
Guimarães: Romaria Grande de S.Torcato

Becoming a Part of Europe: Braga recebe primeira reunião internacional

Um ecoponto foi incendiado duas vezes

Braga

2017-09-14 às 15h15

Redacção

A Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação, em conjunto com os 9 parceiros internacionais e a Agência Nacional Erasmus+ italiana, reuniram-se esta quarta-feira na Universidade do Minho (UM), em Braga, para iniciar uma nova fase do projeto Becoming a Part of Europe. Depois de duas reuniões com os parceiros do grupo de trabalho nacional, chega o momento da reunião internacional com os responsáveis de vários países (Suécia, Alemanha, França, Eslovénia, Holanda, Malta, Bélgica). Perceberam, em conjunto, os progressos do projeto e começaram a traçar o plano e documento que agrega as principais ideias e políticas de juventude discutidas.

A Agência Nacional Erasmus+ Juventude em Ação, em conjunto com os 9 parceiros internacionais e a Agência Nacional Erasmus+ italiana, reuniram-se esta quarta-feira na Universidade do Minho (UM), em Braga, para iniciar uma nova fase do projeto Becoming a Part of Europe. Depois de duas reuniões com os parceiros do grupo de trabalho nacional, chega o momento da reunião internacional com os responsáveis de vários países (Suécia, Alemanha, França, Eslovénia, Holanda, Malta, Bélgica). Perceberam, em conjunto, os progressos do projeto e começaram a traçar o plano e documento que agrega as principais ideias e políticas de juventude discutidas.

O Becoming a Part of Europe é um projeto Erasmus+ liderado por Itália que desenvolve e partilha métodos de educação não formal e práticas de inclusão de forma a que os refugiados, requerentes de asilo e migrantes se sintam mais incluídos. Portugal é o responsável pela análise dos dados fornecidos pelos parceiros num estudo global no âmbito de uma parceria com a UM, a cargo dos investigadores José Augusto Palhares e Álvaro Ribeiro.

Durante a reunião, que serviu para fazer o ponto de situação desse estudo e reunir opiniões, discutiu-se o papel do trabalho dos animadores de juventude que trabalham com jovens refugiados. Para o diretor da Agência Erasmus+ Juventude em Ação, Pedro Couto Soares, “os animadores de juventude são, acima de tudo, mediadores que devem dar ferramentas aos jovens para que estes possam conseguir construir o próprio futuro, ser independentes, aceites e valorizados. A educação não formal é uma dessas ferramentas e, apesar de o consenso nem sempre ser conseguido, importa que, no fim deste projeto internacional seja possível responder à questão “Como se pode utilizar o mecanismo do trabalho com a juventude com os refugiados?””.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.