Correio do Minho

Braga, terça-feira

Autarca de Viana do Castelo defende participação das autarquias nas Administrações Portuárias
Novo ano traz música e instalações ao gnration

Autarca de Viana do Castelo defende participação das autarquias nas Administrações Portuárias

Garfe: criar um museu dos presépios é o sonho do padre Luís Fernandes

Alto Minho

2018-11-15 às 14h41

Redacção

José Maria Costa apelou ao Governo para que, no próximo quadro comunitário, no âmbito das políticas urbanas, exista a figura das Cidades Portuárias, que permita alocar verbas e projetos de intervenção territorial integrado neste tipo de cidades. O autarca considerou que esta organização, a nível de enquadramento de financiamento comunitário, permitirá mobilizar recursos financeiros para as áreas logísticas, requalificando zonas portuárias abandonadas ou degradadas para projetos de intervenção cultural ou social junto das comunidades piscatórias ou portuárias.

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, defendeu que é útil e necessário, para bem do relacionamento entre as Administrações Portuárias e os Governos Municipais Locais, que haja participação das autarquias nos conselhos de administração das Administrações Portuárias, pelo facto de os portos serem territórios integrados nas áreas municipais, fazendo assim todo o sentido que os autarcas tenham uma palavra a dizer nas administrações dos mesmos. O autarca discursava, ontem, no Business2Sea – Fórum do Mar ‘18, que está a acontecer no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, no painel dedicado às Cidades Portuárias e Desenvolvimento Inteligente.
José Maria Costa apelou ao Governo para que, no próximo quadro comunitário, no âmbito das políticas urbanas, exista a figura das Cidades Portuárias, que permita alocar verbas e projetos de intervenção territorial integrado neste tipo de cidades. O autarca considerou que esta organização, a nível de enquadramento de financiamento comunitário, permitirá mobilizar recursos financeiros para as áreas logísticas, requalificando zonas portuárias abandonadas ou degradadas para projetos de intervenção cultural ou social junto das comunidades piscatórias ou portuárias.
O edil defendeu ainda a necessidade de se aumentar o conhecimento e aproveitar melhor as tecnologias atualmente disponíveis para monitorizar áreas portuárias nos domínios da qualidade do ar, ruído, tráfego e qualidade da água.
Dedicada ao tema “Desafios do Mar 2030”, a edição de 2018 do Business2Sea – Fórum do Mar é organizada pela Fórum Oceano com a colaboração da Fundação CETMAR, Centro Tecnológico do Mar, com sede na Galiza. O evento conta com um programa diversificado dedicado ao tratamento e debate de um conjunto de desafios de natureza tecnológica, ambiental, social e económica com que os diferentes stakeholders da economia do Mar se vão confrontar na próxima década.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.