Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Arte inclusiva para admirar nos espaços culturais
Noruega impõe por um golo primeiro desaire de Portugal

Arte inclusiva para admirar nos espaços culturais

Carlos Carvalhal: “Viemos a Leiria para levar a Taça e vamos fazer tudo para vencer”

Arte inclusiva para admirar nos espaços culturais

Braga

2020-11-25 às 07h00

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

Os trabalhos plásticos realizados pelos utentes da Cerci Braga estão expostos nos museus da cidade e na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva.

É com retalhos e máscaras que se coze a inclusão na Cerci Braga - Cooperativa de Educação e Reabilitação para Cidadãos mais Incluídos, desenvolvendo aptidões e talentos artísticos das pessoas com deficiência mental e indo ao encontro das escolas. Os trabalhos produzidos no âmbito do projecto ‘Patchwork: Identidades e Diversidades’ exibem-se, desde ontem, em vários espaços culturais da cidade, numa mostra colectiva que foi inaugurada no Museu dos Biscainhos envergando a mensagem da inclusão e da sustentabilidade.
Lídia Brás Dias, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Braga, elogiou os trabalhos artísticos produzidos pelos utentes da Cerci Braga. “Transcender as regras do dia-a-dia e fazer compreender a arte e a cultura como algo básico e primário na vida é uma tarefa essencial”, disse, evidenciando a necessidade de “mostrar que a arte tem lugar na vida, mesmo em tempo de pandemia”.
Apontando para Braga como uma “cidade educadora”, destacou a “rede de parceiros” que se uniu neste projecto inclusivo através das artes dinamizado na Cerci Braga pelo ‘Mosaico’, editora ‘Paleta de Letras’ de Pedro Seromenho, WAPA e os Agrupamentos de Escolas Trigal Santa Maria, André Soares, Alberto Sampaio, D. Maria II (Braga) e de Abação (Guimarães).
As exposições dos trabalhos artísticos efectuados são o resultado do projecto desenvolvido desde Março último, podendo ser apreciados no Museu dos Biscainhos, Museu D. Diogo de Sousa, Museu Nogueira da Silva e na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva. Tânia Crista, directora técnica do Centro de Actividades Ocupacionais da Cerci Braga, explicou que o projecto deambula entre o tema da ‘Cidade’ e o tema da ‘Natureza’ e a forma como cada um deles influencia o outro. “No final, todos identificaram a necessidade de conciliação entre a cidade e a Natureza, reflectindo sobre a importância das árvores e da floresta no bem-estar humano”.
Ana Caridade, do projecto ‘Mosaico’, que foi também um dos parceiros da iniciativa ‘Patchwork’, indicou que o tema da sustentabilidade foi trazido através da situação nefasta dos incêndios que estão a devastar a Floresta da Amazónia, no Brasil, e que corre mesmo o risco de vir a desaparecer. Além do apelo à sustentabilidade, este projecto desenvolvido na Cerci Braga através da dança, música, videodança e artes, visa dar visibilidade às competências artísticas das pessoas com deficiência.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho