Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Aprovado parecer sobre Estratégia de Biodiversidade
Requalificação da secundária de Maximinos “é um instrumento de coesão territorial”

Aprovado parecer sobre Estratégia de Biodiversidade

Nova residência autónoma recebe cinco utentes em Maio

Aprovado parecer sobre Estratégia de Biodiversidade

Economia

2021-03-08 às 10h14

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Comissão da Agricultura do Parlamento Europeu aprovou, por larga maioria, um parecer, do qual Isabel Estrada Carvalhais foi relatora, sobre a Estratégia de Biodiversidade da União europeia para 2030.

A União Europeia (UE) precisa travar com urgência a perda de biodiversidade, conciliando a luta pela sustentabilidade ambiental com a salvaguarda da sustentabilidade social e económica das explorações agrícolas e das florestas. Esta é a ideia-chave subjacente ao parecer sobre a Estratégia de Biodiversidade da União Europeia para 2030, aprovado na última quinta-feira, pela Comissão de Agricultura do Parlamento Europeu.
A eurodeputado minhota Isabel Estrada Carvalhais foi relatora do documento, que será agora partilhado com a Comissão do Ambiente, com o voto em sessão plenária previsto para 22 de Abril.

“A agricultura tem um papel importante a desempenhar na preservação e promoção da biodiversidade e saúdo a ambição da estratégia, que incentiva para a acção a todos os níveis”, defende a eurodeputada, citada em comunicado, lembrando que a biodiversidade também é essencial para garantir sistemas alimentares resilientes e segurança alimentar. Daí a importância de uma estratégia como a Estratégia da Biodiversidade 2030 no apontar de caminhos que permitam a salvaguarda do futuro ambiental e agrícola, num esforço que deve envolver toda a sociedade.

“Os agricultores têm de ser incluídos e ouvidos na implementação das medidas e a dimensão social tem de fazer parte da solução”, defende Isabel Estrada Carvalhais, lembrando que a Política Agrícola Comum (PAC) desempenha “um papel fundamental” na protecção da biodiversidade das áreas agrícolas, pelo que “é determinante que os sectores agrícola e florestal sejam incluídos no debate sobre a conservação da biodiversidade e beneficiem de incentivos para a sua protecção”.
O parecer final agora aprovado reflecte a posição da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural naqueles que são os eixos da estratégia com maior impacto nos sectores agrícola e florestal.

O documento define que as novas medidas e metas devem resultar de uma avaliação de impacto baseada em evidências científicas nos seus efeitos.
“A sustentabilidade social e económica e a segurança alimentar são aspectos relevantes deste ponto de vista”, refere o documento.

É ainda referido que os agricultores precisam de soluções de protecção alternativas, eficazes, acessíveis e ambientalmente seguras, que reduzam mais o uso e risco de pesticidas químicos.
Aponta ainda que aumentar e preservar a variabilidade genética é crucial para promover a diversidade.
Os eurodeputados querem que as autoridades nacionais controlem de forma mais rigorosa a utilização de substâncias nocivas para os polinizadores, e que incluam medidas destinadas a vários grupos de polinizadores nos seus planos estratégicos da PAC. Consideram-se cruciais os planos estratégicos da PAC para encorajar a reserva de pelo menos 10% das suas terras para áreas de elevada biodiversidade.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho