Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
App da Universidade do Minho vai ajudar médicos a decidir tratamento da depressão
Banhos Velhos trazem Black Bombaim & João Pais Filipe ao Café Concerto do CCVF

App da Universidade do Minho vai ajudar médicos a decidir tratamento da depressão

Simulacro apela ao civismo na estrada

App da Universidade do Minho vai ajudar médicos a decidir tratamento da depressão

Mundo Web

2019-11-07 às 16h14

Redacção Redacção

O algoritmo foi criado com base em casos clínicos, num extenso trabalho de pesquisa e em literatura selecionada pela equipa de investigação. “Esta é uma ferramenta de apoio à decisão clínica cujo funcionamento respeita os principais consensos científicos atuais e as guidelines das mais respeitadas sociedades científicas”, explica Pedro Morgado.

A aplicação criada pelo professor e psiquiatra Pedro Morgado com o apoio da iCognitus, spin-off da Escola de Medicina da Universidade do Minho, é um instrumento de apoio à decisão clínica na escolha do melhor tratamento em função dos sintomas apresentados pelo doente.
 
O tratamento da depressão engloba diferentes componentes que vão desde os psicofármacos até à psicoterapia. A escolha entre as diferentes opções deve ser partilhada entre médicos e doentes, tendo em conta os sintomas apresentados, os custos e os potenciais efeitos secundários. Ao médico cabe a responsabilidade da prescrição e encaminhamento de acordo com a evidência científica mais atualizada. O que o professor e investigador da Escola de Medicina da Universidade do Minho, Pedro Morgado, e a equipa da iCognitus pretendem com esta aplicação é fornecer informação mais precisa e tornar a prática mais homogénea. A ADS, nome da app, é uma ferramenta que já foi testada previamente por 30 médicos e que pretende auxiliar os clínicos na seleção entre as diferentes opções para o tratamento da depressão.
 
O algoritmo foi criado com base em casos clínicos, num extenso trabalho de pesquisa e em literatura selecionada pela equipa de investigação. “Esta é uma ferramenta de apoio à decisão clínica cujo funcionamento respeita os principais consensos científicos atuais e as guidelines das mais respeitadas sociedades científicas”, explica Pedro Morgado.
 
Portugal é o quinto pais da OCDE com maior consumo de antidepressivos, triplicando o consumo entre 2000 e 2017, de acordo com o relatório Health at a Glance de 2019, divulgado esta quinta-feira.
 
O tratamento da depressão é complexo e envolve várias estratégias complementares, como indica o professor da Escola Medicina, sendo esta mais uma ajuda para criar modelos mais eficazes de combate à doença, através da disponibilização do conhecimento de uma forma mais intuitiva para os utilizadores.
 
O funcionamento da aplicação permite criar uma ferramenta útil e de uso simples, sugerindo a adequabilidade de cada opção através de um esquema de cores e indicando tratamentos complementares definidos a partir dos dados introduzidos pelos médicos sobre os seus pacientes.
 
A aplicação está disponível nas lojas PlayStore a AppleStore para profissionais registados na Ordem dos Médicos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.