Correio do Minho

Braga, terça-feira

Ambiente: Polis do Litoral Norte quer concretizar 70 ME de investimento até 2013
Fim-de-semana Zen no Parque da Devesa

Ambiente: Polis do Litoral Norte quer concretizar 70 ME de investimento até 2013

Câmara assinou protocolos com Real Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vizela

Alto Minho

2011-08-16 às 21h00

Lusa

A sociedade Polis do Litoral Norte conta investir até 2013 cerca de 70 milhões de euros na valorização e reabilitação da costa entre Caminha e Esposende, tendo lançado hoje as primeiras grandes intervenções.

Em Viana do Castelo foi assinado hoje o contrato de financiamento para as obras de requalificação das frentes ribeirinhas e costeiras de Fão e Esposende (ambas no mesmo concelho) e também da frente ribeirinha de Viana do Castelo e da envolvente do Forte de Santiago de Barra.

Intervenções que totalizam um investimento de 7,2 milhões de euros, dos quais 5,4 milhões de euros serão assegurados por fundos comunitários.

Neste contrato de financiamento incluem-se ainda a elaboração do Plano de Pormenor de Câmboas, em Caminha, e os percursos de natureza no estuário do rio Cávado, Esposende, estes entretanto já concluídos.

Segundo explicou o administrador da sociedade, “até agora”, foram realizados sobretudo investimentos “em estudos e projetos”, que começam a ser lançados para obra, num processo a concluir até 31 de dezembro de 2013, altura em que deverão estar contratualizados investimentos de 80 milhões de euros.

“Estamos em valores de cerca de 10 milhões de euros que começam a ser executados. Ainda falta um montante significativo que vamos procurar concretizar até 2013”, explicou António Brito, administrador da sociedade que integra os três municípios minhotos e o ministério do Ambiente.

“Temos que ser muito céleres na implementação destes projetos e estou convicto que o vamos conseguir, porque a fase mais complexa está a ser concluída e passava pela elaboração dos projetos”, acrescentou ainda.

A sociedade Polis do Litoral Norte foi criada em 2008 e segundo António Brito o capital social que cabe ao Estado, a rondar os nove milhões de euros, “está totalmente assegurado”, completando os três municípios a fatia de sete milhões de euros da comparticipação nacional.

Do montante global previsto para todas as intervenções, cerca de 60 milhões serão assegurados por fundos comunitários.

“Falta apenas o financiamento por fundos comunitários, mas temos total confiança que existirão”, disse ainda o responsável.

Entre os três municípios abrangidos, o Polis do Litoral Norte conta com uma área de intervenção de 5.000 hectares e uma frente costeira de 50 quilómetros, abrangendo os estuários dos rios Coura, Minho, Âncora, Lima, Neiva e Cávado.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.