Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Alunos protestam contra mau estado das residências da UMinho
APA desafia Município a criar rede para reutilização de águas residuais

Alunos protestam contra mau estado das residências da UMinho

Assembleia Municipal Jovem tomou posse com o intuito de promover cidadania ativa

Alunos protestam contra mau estado das residências da UMinho

Casos do Dia

2023-11-23 às 06h00

Miguel Viana Miguel Viana

Residências da Universidade do Minho apresentam infiltrações de humidade nos quartos e torneiras e sanitas avariadas. Reitor recebeu estudantes e vai fazer chegar um abaixo assinado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Citação

Cerca de 50 estudantes da Universidade do Minho (UMinho), protestaram ontem à tarde junto à Reitoria, no Largo do Paço, contra as más condições em que se encontram as residências universitárias e os preços elevados do alojamento.
As residências apresentam infiltrações de humidade nos quartos e nas cozinhas, equipamentos obsoletos ou fechaduras avariadas, por exemplo.
Os problemas que afectam as residências universitárias constam de um abaixo-assinado que foi entregue ao reitor da UMinho.
“O abaixo assinado enumera uma necessidade de efectivação do Plano Nacional de Alojamento do Ensino Superior (PNAES) que não saiu do papel desde 2018 e aborda a necessidade de remodelação das residências existentes e das duas novas residências da antiga fábrica Confiança e da antiga Escola de Santa Luzia”, explicou Gonçalo Silva, um dos organizadores da manifestação.
O documento foi entregue em mãos ao reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro.
O reitor deu conta do ponto de situação das duas novas residências e manifestou disponibilidade para continuar a ouvir os estudantes. Os concursos para os projectos dos edifícios da Confiança e da Escola de Santa Luzia estão em andamento, pelo que Rui Vieira de Castro espera que as mesmas fiquem operacionais em 2024/2025.
O abaixo-assinado vai ser enviado para o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.
As más condições das residências universitárias afectam cerca de 1400 estudantes da UMInho.
Uma delas é Alexandra Velho, natural de Viana do Castelo e alojada na residência de Santa Tecla.
“A residência apresenta condições precárias. Temos uma cantina com horários reduzidos. Existem blocos onde as sanitas e as torneiras não funcionam e há humidade nos quartos”, disse a aluna do curso de Ciência Política.
Deco Embaló, da Guiné- Bissau também está alojado na residência de Santa Tecla.
“Todos os residentes pagam o alojamento e os colchões estão muito mal. A residência não tem qualidade para que um estudante possa lá estar . Há muita coisa que a universidade deve modificar”. disse Deco Embaló.

Deixa o teu comentário

Banner publicidade
Banner publicidade

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho