Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Alunos do IPCA vêm documentário sobre escravatura e debatem racismo
‘Transcávado’ leva praticantes de BTT da nascente à foz do rio

Alunos do IPCA vêm documentário sobre escravatura e debatem racismo

Beatriz, Matilde e Benjamim vencedores do concurso ‘O Meu S. João é o de Braga’

Alunos do IPCA vêm documentário sobre escravatura e debatem racismo

Ensino

2024-05-11 às 10h14

Rui Serapicos Rui Serapicos

‘Debaixo do Tapete’, um documentário elaborado por Catarina Demony, descendente de antigos comerciantes de escravos, foi ontem no IPCA, em Barcelos, mote para debate sobre racismo.

Citação

“Um pedido de desculpas seria um bom começo”, declarou em Barcelos a jornalista Catarina Demony. Entre os comerciantes de escravos nos séculos XVIII e XIX, em Angola, estiveram os Matoso de Andrade e Câmara.
Descendente daquela família, Catarina, que conheceu os factos ainda na adolescência, começou em 2018 a investigar arquivos e decidiu produzir 'Debaixo do Tapete', documentário realizado por Carlos Costa.
No IPCA - Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, aquele documentário foi ontem motivo de debate, promovido pela SOS Racismo, no âmbito da MICAR - Mostra Internacional de Cinema Anti-Racista
A professora do IPCA Suzana Dias, nascida em Angola, levou os alunos a assistir , numa sessão em que estiveram Catarina Demony e duas activistas do SOS?Racismo: Kitty Furtado e Marta Pereira.
Entrevistadas, a avó e a bisavó de Catarina dão testemunhos de dor. “Dói-me. Para mim, é impossível escravizar”, diz a avó.

Além de evidenciar a riqueza que várias famílias acumularam a negociar escravos, ‘Debaixo do Tapete’ demonstra ainda nos tempos actuais a persistência de racismo, destacando-se casos de homicídio motivados por ódio ao negro.
Em 2009, um agente da PSP?baleou na cabeça Edson Sanches, um jovem de 14 anos mais conhecido como Kuku. Mesmo tendo sido demonstrado que, ao contrário do que alegou o agente da PSP, Kuku estava desarmado, o autor do disparo foi absolvido.
Em 2020, em Moscavide, um antigo combatente assassinou Bruno Candé. O homicida foi condenado a cumprir uma pena de 22 anos de prisão.

Outros depoimentos dão conta de persistência de racismo em questões acesso a emprego ou à habitação.
No debate, Kitty Furtado, investigadora do e activista, aponta as propostas da denominada ‘Declaração do Porto’ como uma possível via para a reparação. Por sua vez, Marta Pereira aludiu às recentes declarações do Presidente da República que “fez sair o tema de debaixo do tapete”.
Estudantes colocaram diversas questões.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho