Correio do Minho

Braga,

- +
Alma na reentrada ainda deu para fazer tremer o leão
Estudantes de medicina visitam idosos em aldeias de Ponte da Barca

Alma na reentrada ainda deu para fazer tremer o leão

Hospital de Guimarães abriu Espaço Cidadão aos utentes e funcionários

Alma na reentrada ainda deu para fazer tremer o leão

Desporto

2021-10-17 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

A perder por oito a intervalo, o ABC surgiu revigorado para o segundo tempo e chegou a sonhar com uma reviravolta épica. Sporting não permitiu. Minhotos ainda não venceram. Ex-ABC agraciados.

Bela demonstração de garra e coragem do ABC no sempre previsivelmente complicadíssimo duelo com o Sporting. Os minhotos acabaram mesmo por perder, fruto sobretudo de um período negativo na segunda metade da primeira parte, mas deram uma excelente réplica após o intervalo, chegando a fazer acreditar as largas dezenas de adeptos (que vibraram e de que maneira no Flávio Sá Leite) de que realmente era possível uma reviravolta épica. Tal não foi possível, porque os recursos à disposição de Ricardo Costa, técnico dos leões, são muitos e praticamente ilimitados, em comparação com os de Jorge Rito pelo que, assim que viu a confortável vantagem ameaçada, o técnico visitante não perdeu tempo e recolocou os pesos pesados na quadra para que a questão se resolvesse definitivamente.

Ainda antes do apito inicial, nota para um momento de homenagem a dois ex-académicos, André José e Erekle Arsenashvilli, agora no Sporting, que foram agraciados com camisolas do ABC. A dupla agradeceu a lembrança e foi tremendamente ovacionada pelo público, que não esquece o contributo que ambos deram ao emblema bracarense.
A fuga leonina no marcador aconteceu a partir do 4-4, numa partida que contou com muitas exclusões dentro do primeiro quarto de hora, para ambas as equipas. Ainda assim, a primeira nota negativa vai para a expulsão do experiente pivô José Costa, que já tinha marcado três golos e, alegadamente por palavras menos simpáticas, viu o cartão vermelho das mãos de um dos árbitros da partida.
O Sporting, muito à custa de um Carlos Ruesga muito veloz e com um Mamadou Gassama tremendamente eficaz (foi o melhor marcador do encontro, com nove golos), foi aumentando a vantagem até chegar ao intervalo com oito golos de diferença (11-19).

Para a segunda parte, já de olho no compromisso europeu da próxima semana, Ricardo Costa deixou as principais armas a descansar e lançou uma espécie de ‘segundas linhas’, mas o que realmente há que enaltecer é a subida de produção do ABC. Neste particular, destaque para José Paulo Silva, o homem-golo da equipa no dia de ontem (oito golos), bem como para um gigante que se foi erguendo na baliza, José Martins, a fazer uma mão-cheia de defesas que foi permitindo ao aproximar no resultado. As contas chegaram a estar em 20-22 e aí as sirenes tocaram para os leões, que rapidamente voltaram a distanciar-se no marcador e a garantir a sexta vitória em outros tantos jogos. Por outro lado, o ABC ainda não venceu qualquer jogo, soma 7 pontos e está em 14.º e ante-penúltimo lugar. Segue-se a visita à Sanjoanense, no próximo sábado, às 18 horas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho